Julia Symmes Cobb/Reuters
Julia Symmes Cobb/Reuters

Peru retira candidatura de Hugo de Zela ao Secretariado Geral da OEA

Ministério das Relações Exteriores explicou que embaixador não obteve apoio suficiente para competir com o uruguaio Luis Almagro

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 22h53

LIMA - O governo do Peru anunciou nesta segunda-feira, 16, a retirada da candidatura do embaixador peruano nos Estados Unidos, Hugo de Zela, para o cargo de secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA).

O Ministério das Relações Exteriores explicou em comunicado que a solicitação de Zela não obteve apoio suficiente para competir com o uruguaio Luis Almagro, atual Secretário Geral da OEA; e a ex-ministra das Relações Exteriores do Equador, María Fernanda Espinosa.

"Tive várias reuniões com chefes de Estado e ministros das Relações Exteriores dos países da região e verifiquei que, apesar da boa vontade, não havia margem suficiente para uma proposta como a que pretendíamos promover", disse Zela para a agência oficial Andina.

"É por isso que, em prol da unidade que defendemos, decidimos retirar a solicitação", acrescentou o diplomata peruano, que em seu trabalho como vice-chanceler em 2017 articulou o Grupo de Lima.

Entre os apoios que não puderam ser conquistados estava o da Casa Branca, que pediu a de Zela que retirasse sua candidatura por considerar que ela criava "divisões desnecessárias", já que os Estados Unidos apoiam Almagro e, devido ao seu poder geopolítico, costumam ter um peso desproporcional na eleição do secretário-geral da OEA.

De Zela especificou que sua candidatura buscava "uma possibilidade de união em uma região polarizada", de modo que sua intenção era "apresentar uma opção institucional, experiente e distante de extremos, para administrar a OEA com base nos objetivos definidos pelos países membros".

O peruano tentou se definir como o único candidato capaz de atuar como um "interlocutor credível" nas piores crises do continente, incluindo a da Venezuela.

Além de seu trabalho principal no Grupo de Lima, de Zela foi um dos responsáveis ​​por negociar o fim do conflito de fronteira entre Peru e Equador, que gerou três guerras em 180 anos.

Também em 1989, ele viajou pela América Central para verificar o cumprimento dos acordos de paz que encerraram as sangrentas guerras naquela região. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.