Perucas podem desaparecer de tribunais ingleses e galeses

As perucas poderão em breve se tornar coisas do passado na maioria das cortes da Inglaterra e do País de Gales. Uma pesquisa realizada a pedido de lorde Irvine, chefe do Judiciário e presidente da Câmara dos Lordes (câmara alta do Parlamento) da Grã-Bretanha, mostrou que duas em cada três pessoas querem o fim das perucas, exceto para os casos criminais.A pesquisa, com mais de 2 mil entrevistados, está no centro de um esforço de consulta lançado na quinta-feira que poderá deixar os juízes e advogados sem sua cobertura de crina de cavalo - indumentária que data do século 18. As perucas poderão desaparecer totalmente ou ser preservadas apenas nas cortes criminais.A consulta, em três frentes, também vai sugerir reformas que poderão significar a abolição do título de Conselheiro da Rainha (advogado que atua em instâncias superiores) e o estabelecimento de uma comissão independente de nomeações para substituir o chefe do Judiciário na seleção de juízes.Ao anunciar a consulta, lorde Irvine afirmou não ter "opinião formada" sobre a questão das perucas. Em junho de 2001, no entanto, ele disse que as perucas eram um anacronismo e deveriam ser extintas, pelo menos nos tribunais civis. "Seria melhor se os dois ramos da profissão (advogados e conselheiros jurídicos) exibissem apenas o cabelo que a natureza lhes deu."A questão relaciona-se a discussões sobre a distinção entre advogados e conselheiros jurídicos. No sistema britânico, os advogados normalmente representam uma pessoa num processo e apresentam a causa no tribunal, enquanto os conselheiros atuam fora dos tribunais, atendendo o cliente diretamente e, se for o caso, encaminhando-o a um advogado.Há quase dez anos, os conselheiros ganharam o direito de aparecer ao lado dos advogados em audiências nos tribunais de instância mais alta. Mas só aqueles com o título de Conselheiro da Rainha, uma pequena minoria, podem usar peruca. Os conselheiros reclamam que a ausência da peruca lhes dá a imagem de advogados de segunda classe e exigem que todos a usem ou deixem de usá-la.Os ramos da profissão estão divididos, com os advogados defendendo a conservação das perucas, e os conselheiros pressionando pela abolição. O objetivo declarado da consulta é tomar a decisão que melhor contribua para a confiança do público nos tribunais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.