Troy Baker/Whakatane Beacon via AP
Troy Baker/Whakatane Beacon via AP

Pescador salva bebê que acreditou ser uma boneca no mar na Nova Zelândia

Criança saiu da barraca de camping em que dormia com seus pais à beira mar e foi em direção à água, quando foi arrastada pela correnteza

O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2018 | 17h46

WELLINGTON - Um pescador da Nova Zelândia salvou um bebê de um ano e meio que boiava no mar ao confundi-lo com uma boneca, informou a imprensa local.

"Pensei que era uma boneca", contou Gus Hutt ao jornal Whakatane Beacon. "Então estendi a mão, o agarrei pelo braço e ainda assim continuei pensando que era somente uma boneca", acrescentou, lembrando sobre o aconteceu na manhã de 26 de outubro em uma praia de Bay of Plenty, na Ilha do Norte.

"Seu rosto parecia de porcelana, com o cabelo curto junto ao rosto, mas ele soltou um pequeno grito e pensei: 'Meus Deus, é um bebê e está vivo!". Era Malachi Reeve, um menino de 18 meses. 

O bebê saiu da barraca de camping em que dormia com seus pais à beira mar e foi em direção à água, quando foi arrastado pela correnteza.

Nesse dia, Hutt decidiu pescar a cerca de 100 metros de onde costuma ir. "Se eu não estivesse ali, ou se tivesse estado um minuto mais tarde, eu não o teria visto", acrescentou. 

"Ele teve muita sorte porque não estava predestinado a ir embora. Sua hora não tinha chegado."

Seus pais correram para recepcioná-lo no acampamento. Sua mãe, Jessica Whyte, explicou ao portal de notícias Stuff, que seu filho estava "roxo, frio e parecia encolhido". O bebê se recuperou. "Ele está como sempre. Talvez tenha aprendido a desconfiar da água". 

Jonty Mills, diretor-geral da Water Safety New Zealand, uma organização encarregada de promover a segurança nos rios, lagos e praias, declarou à agência France-Presse que era "una história bastante milagrosa de sobrevivência" e pediu aos pais para redobrarem precaução. "Basta menos de um minuto para que uma criança se afogue". / AFP 

Mais conteúdo sobre:
BebêNova Zelândia [Oceânia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.