Peso barato, Buenos Aires espera recorde de turistas

O suculento bife de "chorizo", as noitadas embaladas ao ritmo do tango e as alamedas que relembram bairros de Paris não são a principal atração da "Rainha do Rio da Prata". O verdadeiro ímã para a vinda de centenas de milhares de turistas é o peso, a desvalorizada moeda argentina, cuja cotação em relação ao dólar - embora não esteja tão desvalorizada como em meados do ano passado, quando a moeda americana chegou a 4,00 pesos - está atualmente ao redor de 3,00 pesos, com tendência a voltar subir. Com este cenário de dólar alto, a Secretaria de Desenvolvimento da Cidade (Cedem) especula que desembarcarão em Buenos Aires 400 mil turistas estrangeiros por mês durante a temporada de verão, o que indica um aumento de 40% em comparação com os meses do verão passado. Desta forma, calcula-se que a cidade poderia receber 1,5 milhão de turistas com as carteiras cheias de dólares, euros e até reais. Os brasileiros são o segundo maior grupo de turistas que desembarcam em Buenos Aires. Entre janeiro e outubro deste ano constituíram 12,6% do total de turistas estrangeiros. Em comparação com 2002, a proporção de turistas brasileiros aumentou 100,3% em 2003. Os uruguaios foram o maior grupo, com 18,1%. Em terceiro lugar estão os chilenos, com 11,9%. Os espanhóis, italianos, alemães e outros visitantes europeus, juntos, chegam a 15,9%. Americanos e canadenses são 9,1% dos turistas. Os turistas brasileiros são os que mais gastam por dia, segundo o Cedem. Cada brasileiro desembolsa 300 pesos (US$ 100) diariamente. A média de duração da estadia é de cinco dias. Nesse período, vão aos restaurantes saborear a carne argentina regada com o vinho tinto preparado ao sopé da Cordilheira dos Andes. Além disso, os brasileiros vão à caça de roupas de couro e CDs de tango. Os mais jovens procuram as lojas de roupa de vanguarda de Palermo Viejo, também conhecido como "Palermo Hollywood" ou "Palermo Sensível". Os americanos ficam mais tempo, em média, 7,5 dias. No entanto, são mais parcos nos gastos, chegando a 275 pesos (US$ 91,66). Os espanhóis gastam 280 pesos (US$ 93,33) diariamente, ficando em média 5,7 dias. Os turistas do Chile permanecem 5,4 dias em Buenos Aires, gastando uma média de 275 pesos (US$ 91 66) diariamente. O idioma português - expresso no sotaque mineiro, carioca, pernambucano ou paulistano, entre outros - pode ser ouvido constantemente nos shoppings portenhos. Um dos lugares mais visitados é a Galeria Pacífico, uma versão modesta da Galeria Vittorio Emanuele II de Milão. Nesse lugar, os estrangeiros são responsáveis por 40% das compras. Em outros shoppings, como o Patio Bullrich ou o Abasto, 20% das vendas são realizadas aos turistas provenientes do exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.