Pesquisa afirma que americanos se cansaram da guerra do Iraque

O exército americano no Iraque chega ao segundo dia da "Operação Enxame" e a guerra chega ao seu terceiro ano no próximo domingo. Por este motivo, a edição de sexta-feira do jornal USA Today publica, como destaque, uma pesquisa que deixa claro que seis em cada dez americanos afirmam que o conflito teve um impacto "negativo" sobre o país. O que mais chama a atenção na pesquisa, realizada entre sexta e domingo da última semana, é que 60% dos americanos acham que a guerra "não valeu a pena". O resultado não é surpreendente quando seis em cada dez pessoas declaram na pesquisa, realizada pelo instituto Gallup e pela emissora CNN, que um amigo próximo, um parente ou um companheiro de trabalho lutou no Iraque. E uma em cada dez pessoas revelam que alguém próximo morreu ou foi ferido no conflito. Estes dados chamam ainda mais a atenção quando se considera que, em março de 2003, 85% dos norte-americanos afirmavam que a guerra "ia bem" e que agora 60% dizem o contrário. Apesar das opiniões "pessimistas" sobre o conflito no Iraque, dois terços dos americanos dizem que estão certos de que o Iraque está "melhor do que antes" agora. Operação Enxame O ataque aéreo que começou na quinta-feira nas proximidades de Samarra, cerca de 125 quilômetros ao norte de Bagdá, em uma área de 16 quilômetros quadrados, alcançou nesta sexta-feira seus primeiros resultados com a prisão inicial, "sem resistência", de 40 suspeitos de participação da insurgência, dez dos quais foram libertados depois. A "Operação Enxame", o maior ataque aérea realizado por forças conjuntas iraquianas e americanas contra grupos insurgentes desde a invasão do Iraque, também levou à localização de seis arsenais que continham armas brancas, bombas e explosivos, além de roupas militares. O objetivo da ação é acabar com os grupos insurgentes que atuam nas proximidades de Samarra, região onde rebeldes sunitas agem com freqüência.

Agencia Estado,

17 Março 2006 | 17h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.