Pesquisa indica empate na Flórida

Republicanos Mitt Romney e John McCain têm 30% das intenções de votos para as primárias de amanhã

Miami, O Estadao de S.Paulo

28 de janeiro de 2008 | 00h00

A batalha entre os republicanos pelo primeiro lugar nas primárias da Flórida esquentou no sábado, quando o senador do Arizona John McCain e o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney trocaram acusações sobre a guerra no Iraque. Ontem uma pesquisa de opinião feita pela Reuters/C-Span/Zogby indicou empate técnico entre os dois pré-candidatos, mostrando que os dois têm 30% das intenções de voto na disputa de amanhã.A pesquisa foi realizada antes de McCain receber, no sábado, o apoio do governador da Flórida, Charlie Crist, e acusar Romney de querer estabelecer um cronograma de retirada dos soldados americanos do Iraque. "Se nos rendermos e acenarmos a bandeira branca como a senadora (democrata Hillary) Clinton e o governador Romney querem, então teríamos caos, genocídio, e o derramamento de sangue americano seria dramaticamente mais alto", disse McCain.Romney negou ter feito declarações de que seja a favor da retirada dos EUA do país árabe e acusou seu principal rival de querer mudar o foco da campanha em seu benefício. "Eu sei que ele está tentando desesperadamente mudar o tópico das discussões da economia e voltar para o Iraque, mas dizer algo que não é verdade é simplesmente errado", disse Romney, que tem sua base de campanha estabelecida na economia - principal assunto discutido na última semana por causa do medo de uma recessão nos EUA.As primárias da Flórida são de grande importância para os republicanos porque darão ao vencedor 57 delegados e uma força maior na Superterça, no dia 5, quando 21 Estados realizarão suas votações simultaneamente. Enquanto Romney e McCain brigam pela liderança, o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani ficou em quarto lugar na pesquisa divulgada ontem, com 13% das intenções de voto. O ex-governador do Arkansas Mike Huckabee ficou em terceiro, com 14%.AP, AFP E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.