Pesquisa indica rejeição de israelenses a plano de paz

Dois terços dos palestinos apóiam um plano que oferece a Israel total reconhecimento dos países árabes, em troca de uma retirada das terras ocupadas. Porém, dois terços dos israelenses rechaçam a iniciativa, de acordo com uma pesquisa divulgada hoje. A sondagem foi conduzida pelo Instituto de Pesquisas Harry S. Truman para o Avanço da Paz, da Universidade Hebréia de Jerusalém, e pelo Centro Palestino de Pesquisa Política em Ramallah.De acordo com o trabalho, a maioria dos israelenses e palestinos apóiam a extensão de um cessar-fogo entre Israel e o Hamas, que acaba inicialmente nesta sexta-feira.O plano da Liga Árabe foi apresentado em 2002. Nas últimas semanas, o presidente israelense, Shimon Peres, e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, tentaram retomar a iniciativa.A pesquisa mostrou que os israelenses tendem a apoiar mais uma proposta que incluísse a retirada da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, porém com a manutenção dos assentamentos judaicos em trechos da Cisjordânia. Essas terras seriam trocadas por áreas equivalentes do território de Israel.Outro dado registrado é que 49% dos israelenses e 57% dos palestinos querem o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, mais envolvido na resolução do conflito entre eles. A pesquisa tem margem de erro de 3 pontos percentuais entre os palestinos e 4,5 pontos entre os israelenses.Jihad Islâmica - Também hoje tropas de Israel mataram Jihad Nawhda, um militante da Jihad Islâmica, na Cisjordânia. Os militares informaram que tentaram prender o militante e abriram fogo quando tentou escapar. Ele morreu enquanto era levado ao hospital. Em resposta, os militantes lançaram três foguetes no sul de Israel, sem causar feridos.O cessar-fogo começou em junho e Israel diz querer prorrogá-lo. Porém a Jihad Islâmica afirma que não respeitará o pacto, caso seus membros sejam perseguidos na Cisjordânia.

AE/AP, Agencia Estado

16 de dezembro de 2008 | 13h00

Tudo o que sabemos sobre:
Israelpalestinospesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.