Pesquisa mostra apoio a Estado Palestino

A maioria dos palestinos e israelenses está de acordo em relação ao estabelecimento de um Estado palestino em toda, ou quase toda, a Cisjordânia e na Faixa de Gaza, mas um grupo desconfia profundamente das intenções do outro quanto à paz e ao fim da violência, de acordo com uma pesquisa divulgada hoje. A pesquisa, financiada pelo grupo "À Procura de um Terreno Comum", sediado em Washington e Bruxelas, foi levada a cabo por pesquisadores que trabalharam separadamente nos territórios israelenses e palestinos. A principal pergunta feita aos entrevistados foi se eles iriam aceitar um Estado palestino baseado nas fronteiras de 1967, referindo-se à linha que separava Israel da Cisjordânia e da Faixa de Gaza desde o fim da guerra de dois anos que se seguiu ao estabelecimento de Israel, em 1948, até a guerra de 1967, quando Israel ocupou os territórios. A pesquisa indicou que 72% dos palestinos estariam dispostos a renunciar à violência se Israel estivesse disposto a concordar com a criação de um Estado palestino em termos aceitáveis para a população palestina. Do lado israelense, um porcentual semelhante disse que estaria realmente pronto para apoiar o estabelecimento de um Estado palestino baseado nas fronteiras de 1967, caso acreditasse que os palestinos iriam realmente renunciar ao uso da violência. No entanto, dos 72% que disseram estar favoráveis, 21% dos israelenses duvidavam que os palestinos iriam renunciar à violência, e 30% dos palestinos não acreditaram que Israel iria oferecer-lhes um Estado aceitável. "A pesquisa mostra claramente que a distância entre israelenses e palestinos não é ideológica", afirmou Susan Collin, vice-presidente executiva do grupo "À Procura de um Terreno Comum".

Agencia Estado,

09 Dezembro 2002 | 18h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.