Pesquisas boca-de-urna dão vitória a Correa no Equador

O candidato de esquerda à Presidência do Equador, Rafael Correa, obteve 57% dos votos válidos nas eleições deste domingo, segundo pesquisa de boca-de-urna divulgada pela televisão Teleamazonas. Seu adversário no segundo turno, o populista de direita Álvaro Noboa, obteve 43%. A margem de erro da sondagem da emissora é inferior a 1 ponto porcentual. Todas as outras três pesquisas de boca-de-urna realizadas por emissoras de TV equatorianas apresentaram números semelhantes. Os dados foram emitidos cinco minutos antes do fechamento das urnas, ocorrido às 17h (20h em Brasília), embora TSE tenha pedido para emissoras de televisão não divulgarem pesquisas deste tipo. Segundo o ex-senador chileno José Antonio Viera Gallo, convidado especial da Secretaria-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) para observar as eleições no Equador, o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) do Equador deve começar a emitir resultados oficiais parciais a partir das 21h (0h em Brasília), quatro horas após o fechamento das sessões. "O tribunal diz isso porque é a partir das nove da noite que os tribunais regionais começarão a se reunir" para fazer a apuração, comentou Viera Gallo à emissora Rádio Quito. Segundo o ex-senador chileno, a apuração oficial "leva tempo e, portanto, é preciso esperar com calma" os resultados definitivos. No entanto, Viera Gallo explicou que se as pesquisas de boca-de-urna "apontarem todas em uma mesma direção e houve uma diferença muito grande de um candidato para o outro, então alguns poderão começar a se alegrar". Ele, no entanto, lembrou que é preciso lembrar o ditado "quem ri por último é quem ri melhor". "É preciso esperar os resultados oficiais" para comemorar a vitória ou lamentar a derrota, disse o observador. O ex-senador lembrou que as pesquisas de boca-de-urna são "uma indicação, uma projeção, que tem uma margem de erro". O Tribunal Supremo Eleitoral deve concluir a apuração oficial na próxima quarta-feira. A missão da OEA também vigiará esse processo e permanecerá no Equador "até que se proclame o vencedor do pleito, esperando que o perdedor aceite a vitória do outro". Viera Gallo se transformou no porta-voz da missão depois que seu chefe, o ex-chanceler argentino Rafael Bielsa, foi chamado no sábado a Washington pela Secretaria-geral da OEA. Bielsa foi acusado por Correa e organizações sociais de parcialidade e de ter relações com uma empresa envolvida no processo eleitoral. Esperar com calma A Missão de Observação Eleitoral da OEA pediu aos equatorianos que esperem com calma os resultados oficiais das eleições presidenciais. Viera Gallo assegurou que o processo eleitoral se desenvolveu com normalidade e reiterou seu pedido à população para que espere com calma os resultados oficiais.

Agencia Estado,

26 Novembro 2006 | 20h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.