Pesquisas indicam que partido Likud vencerá em Israel

As últimas pesquisas de intenção de voto para as eleições parlamentares de Israel, que acontecerão na próxima terça-feira, mostram uma disputa apertada entre os partidos Likud (direita) e Kadima (centro), mas projetam por estreita margem uma vitória de Benjamin Netanyahu, do Likud. Uma série de pesquisas publicadas hoje nos jornais israelenses dão a vitória para o Likud por pequena margem sobre o Kadima, liderado pela chanceler Tzipi Livni.As pesquisas indicam que os israelenses preferem atualmente os partidos linha-dura e mostram que o Likud, com seus aliados conservadores, obterá uma sólida maioria no Knesset, Parlamento de Israel, que tem 120 cadeiras. Os resultados, se confirmados nas urnas, trarão problemas para as conversações de paz entre Israel e os palestinos moderados, incentivadas pelos Estados Unidos.A pesquisa do Instituto Dialog indica que o Likud conquistará 27 cadeiras, em comparação às 25 que o Kadima deverá vencer. A sondagem indica que o Likud, somado a outros partidos de direita, ganharia um total de 66 cadeiras, em comparação às 54 do Kadima e outros partidos centristas. A pesquisa indica que 15% dos eleitores estão indecisos. A pesquisa do Dialog, publicada hoje no jornal Haaretz, entrevistou mil pessoas e tem margem de erro de três pontos porcentuais.Pesquisas publicadas em dois outros jornais têm resultados semelhantes. Todas as pesquisas perguntaram aos eleitorais em qual partido eles votarão. As pesquisas mostram que o Partido Trabalhista (centro-esquerda), outrora muito forte em Israel, está apagado no processo político atual. O partido de direita ultranacionalista Yisrael Beitenu, comandado por um imigrante da Moldávia, Avigdor Lieberman, está em terceiro lugar na intenção de voto, e deverá conquistar 18 cadeiras no Knesset, segundo a pesquisa da Dialog. O Partido Trabalhista aparece apenas em quarto lugar e deverá conquistar 14 cadeiras.Os israelenses votam em partidos, não em candidatos individuais, e nenhum partido individual deverá obter a maioria dos votos nessa eleição. Mesmo assim, o maior partido normalmente consegue formar uma coalizão de governo com partidos pequenos de espectro ideológico parecido. Se as projeções desta sexta-feira forem acuradas, Netanyahu, um crítico do atual processo de paz, será o próximo primeiro-ministro.Campanha A sexta-feira foi dia de campanha para os candidatos. Livni foi a um comício para mulheres em Jerusalém e dançou músicas cantadas por Dana International, um cantor transexual israelense. Netanyahu visitou um assentamento de colonos no norte da Cisjordânia, onde alertou os eleitores que Livni tentará retirá-los da área e entregá-la ao controle dos palestinos.Acordo de pazNetanyahu diz que nenhum acordo de paz com os palestinos é possível em um futuro previsível. Ele diz que tentará reativar a economia palestina, enquanto a ocupação militar de Israel na Cisjordânia continuará por período indefinido. Livni e Netanyahu têm visões diferentes sobre o processo de paz. Livni foi a principal negociadora israelense com os palestinos nos últimos dois anos e apoia a retirada israelense da Cisjordânia, para que um Estado da Palestina seja estabelecido na região. Israel capturou a Cisjordânia, bem como a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental, na Guerra dos Seis Dias, em 1967. Israel se retirou da Faixa de Gaza em 2005 e anexou Jerusalém Oriental, embora a anexação não seja reconhecida pela comunidade internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.