Erik Refner/Reuters
Erik Refner/Reuters

Pesquisas indicam vitória da oposição na Dinamarca

COPENHAGUE - Pesquisas de boca-de-urna indicam que a oposição conquistou a vitória nas eleições nacionais realizadas nesta quinta-feira na Dinamarca, sinalizando uma mudança após dez anos de reformas liberais e controles cada vez mais rígidos de imigração.

AE, Agência Estado

15 Setembro 2011 | 16h58

 

Duas pesquisas divulgadas após o fechamento das urnas mostraram que a aliança esquerdista da líder social-democrata Helle Thorning-Schmidt deve vencer o governo de centro-direita e tornar-se a primeira premiê mulher da Dinamarca.

 

Se os resultados forem confirmados, a Dinamarca terá um governo que pode reverter algumas das medidas de austeridade introduzidas pelo atual primeiro-ministro, Lars Loekke Rasmussen, durante a crise da dívida europeia.

 

A maioria do "bloco vermelho" também vai retirar do Partido do Povo Dinamarquês, contrário à imigração, o papel determinante no fortalecimento dos controles de fronteira e conter o fluxo dos pedidos de asilo.

 

O levantamento da TV2 mostra que a oposição conquistou 93 dos 179 assentos no Parlamento e que os 86 restantes ficaram com o atual governo. A pesquisa da DR, que não considera as quatro cadeiras dos territórios semiautônomos da Groenlândia e ilhas Faroe, indica que a oposição venceu por cinco assentos.

 

A mudança no poder não deve promover grande alterações no país, orientado pelo consenso, e onde há uma ampla concordância a respeito da necessidade de um forte sistema de seguridade social financiado por altos impostos.

 

Mas os dois lados diferem sobre a profundidade das medidas de austeridade necessárias para manter intactas as finanças do país em meio às incertezas da economia global.

 

Thorning-Schmidt, de 44 anos, que proteger o sistema de seguridade social elevando os impostos para os ricos e estendendo a média de horas trabalhadas diariamente em 12 minutos.

 

Já Loekke Rasmussen diz que aumento de impostos pode prejudicar a competitividade de um país que já sofre a maior pressão tributária do mundo. "Nós precisamos de finanças públicas sanadas sem a elevação de impostos", disse Rasmussen, de 47 anos, aos jornalistas após votar em Graested, norte de Copenhague.

 

Embora a Dinamarca não faça parte da zona do euro, sua moeda está indexada ao euro e a economia, movida pelas exportações, é afetada pelos choques sofridos pela economia global. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Dinamarcaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.