Pesquisas mostram desinteresse por eleições na Sérvia

Uma disputa entre um veterano defensor da democracia e um líder ultranacionalista pode não ser o bastante para cativar os eleitores a comparecerem às urnas no domingo em quantidade suficiente para eleger um presidente, indicam pesquisas de opinião. O temor existe. As eleições de domingo serão as terceiras em um ano para a escolha do primeiro presidente democraticamente eleito da história da Sérvia, principal parceiro da República da Sérvia e Montenegro, antiga Iugoslávia. Depois da Segunda Guerra Mundial, não havia eleições. Mais tarde, sob o regime de Slobodan Milosevic, o pleito costumava ser fraudado. Após a queda de Milosevic, as duas votações realizadas registraram menos de 50% de comparecimento às urnas, o mínimo necessário exigido por lei para a escolha de um presidente. A eleição de domingo envolverá uma disputa entre Dragoljub Micunovic, de 73 anos, um veterano defensor dos valores democráticos, e Tomislav Nikolic, do ultranacionalista Partido Radical Sérvio. Outros quatro candidatos de menor expressão também concorrem ao cargo de presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.