Pesquisas questionam estratégia de Giuliani na Flórida

O pré-candidatorepublicano à Presidência dos Estados Unidos Rudolph Giulianidecidiu, logo no começo, que seu caminho para a Casa Brancapassava pela Flórida, Estado rico em ex-nova-iorquinos,imigrantes e preocupações econômicas. Há muito tempo líder nas pesquisas nacionais, elevirtualmente ignorou as disputas em Iowa e New Hampshire. Eleconfia na Flórida, quarto Estado mais populoso e que catapultouGeorge W. Bush para a Casa Branca há 8 anos, para ser otrampolim de sua candidatura. Republicanos e Democratas vivem uma disputa Estado porEstado para definir as indicações dos partidos para as eleiçõesde novembro para a Presidência dos Estados Unidos. As préviasna Flórida ocorrem em 29 de janeiro. Mas Giuliani perdeu a liderança nacional, e novas pesquisasdivulgadas nesta segunda-feira mostraram que o ex-prefeito deNova York está perdendo a liderança para o senador do ArizonaJohn McCain --o que coloca em questão sua estratégia. Uma pesquisa da Quinniplac University mostrou McCain com 22por cento das intenções entre os republicanos, Giuliani com 20por cento e o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney e oex-governador de Arkansas Mike Huckabee com 19 por cento cada. McCain, vencedor das prévias em New Hampshire, ganhou 9pontos percentuais em relação à pesquisa anterior daQuinniplac. Giuliani perdeu 8 pontos. "É uma estratégia de dar a seus oponentes uma falsasensação de confiança", brincou Giuliani na semana passada. Publicamente, a sua própria confiança não minguou, mas osprincipais conselheiros de Giuliani reconhecem que sua campanhavai ficar em apuros se ele não vencer na Flórida, onde elepassou 44 dias fazendo campanha e planeja gastar a maior partedos recursos arrecadados para as primárias. "Se ganharmos na Flórida, dinheiro não será problema. Seperdermos, será um problema, com certeza", disse o chefe de suacampanha, Patrick Oxford. "Seremos os caras mais espertos da América, ou os maisburros."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.