Reprodução
Reprodução

Pessoas doentes usam religião para propósitos pessoais, diz pai de atirador

Para pai do atirador Omar Mateen, ele se destruiu e destruiu a vida de outras pessoas

Claúdia Trevisan - Enviada Especial / PORT ST. LUCIE, EUA, O Estado de S. Paulo

15 Junho 2016 | 05h00

Pai do atirador que matou 49 pessoas em um clube gay de Orlando, Seddique Mir Mateen disse que não se sente responsável pelas ações do filho Omar Mateen, morto pela polícia depois do massacre. Seddique mora em uma típica casa de classe média americana em Port St. Lucie, na Flórida, a 20 minutos de Fort Pierce, onde Omar morava com a mulher, Noor Zahi Salman, e o filho de 3 anos. Imigrante afegão, Mateen tem um programa de TV na internet no qual fala em dari sobre a política de seu país de origem, muitas vezes usando uniforme militar. Ao Estado, ele negou que tenha vínculos com o Taleban.

Qual foi sua reação ao saber que seu filho era o responsável pelo massacre em Orlando?

Era 4h quando eu vi a notícia e depois de duas ou três horas me disseram que era meu filho. Não desejo que ninguém passe por isso. Foi uma notícia terrível. Se pudesse, eu pararia tudo, mas estava longe.

O sr. tinha alguma indicação de que ele havia se radicalizado?

Não. Religião é sobre servir às pessoas, servir a Deus, a seus vizinhos e me disseram que havia um tiroteio e meu filho estava envolvido. Ele cometeu um ato horrível.

O que motivou a ação?

Eu gostaria que ele estivesse vivo para eu poder perguntar 

O seu filho demonstrava admiração pelo Estado Islâmico?

Não. Pessoas doentes usam a religião para seus propósitos pessoais, especialmente o Estado Islâmico. Espero que o presidente Obama e a Otan eliminem o Estado Islâmico da face da Terra.

O sr. recebeu ameaças ou foi hostilizado após o massacre?

Não, as pessoas entendem. Você não pode ser responsável por seus filhos pelo resto de suas vidas. Quando eles fazem 18 anos, eles passam a ser responsáveis por suas próprias vidas. Ele tinha 29 anos e era responsável pela própria vida. Ele estudou, conseguiu emprego, construiu família. Fiz o meu trabalho. Ele se destruiu e destruiu a vida de outras pessoas. 

Como a sua nora está enfrentando a situação?

Isso a afetou de maneira muito negativa. O filho pergunta todo o tempo onde está o pai e eu não posso dizer nada. Fico em silêncio.

O sr. tem ligações com o Taleban no Afeganistão?

Talebans são o pior tipo de pessoa que há. Nós queremos promover a paz no Afeganistão. Os afegãos estão lutando contra afegãos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.