Monica Almeida/The New York Times
Monica Almeida/The New York Times

Petraeus pede desculpas por caso extraconjugal

Ex-diretor da CIA renunciou há quase cinco meses, após divulgação do escândalo

Agência Estado

27 de março de 2013 | 08h49

LOS ANGELES - O ex-diretor da CIA, David Petraeus, fez um discurso na noite de terça-feira no qual pediu desculpas pela conduta que levou à sua renúncia do cargo, quase cinco meses atrás, após a divulgação de um caso extraconjugal.

Usando um terno escuro e gravata vermelha, Petraeus fez suas primeiras declarações públicas desde sua saída do cargo em novembro para um grupo de cerca de 600 pessoas, dentre elas vários veteranos uniformizados e condecorados durante o jantar anual do Reserve Officers Training Corps.

O herói das guerras do Iraque e Afeganistão tem permanecido recluso desde a saída do cargo. Seu advogado, Robert B. Barnett, disse que Petraeus tem passado a maior parte do tempo com sua família.

"Desnecessário dizer que minha situação é diferente agora do que era um ano atrás quando fui convidado para falar neste evento", disse Petraeus. "Eu também sou consciente de que a razão dos acontecimentos recentes são de minha responsabilidade. Então, por favor, permita-me começar a minhas declarações desta noite reiterando o quão profundamente eu me arrependo e peço desculpas pelas circunstâncias que levaram à minha demissão da CIA e causaram tanta dor para minha família, amigos e simpatizantes."

Petraeus foi aplaudido de pé antes de iniciar o programa da noite ao cortar um bolo com uma espada, uma tradição militar que é reservada à pessoa de mais alta patente presentes no recinto.

O caso entre o general de quatro estrelas da reserva e sua biógrafa, Paula Broadwell, foi descoberto durante uma investigação dos e-mails que ela enviou a outra mulher que considerava ser sua rival. "Eu sei que nunca poderei amenizar totalmente a dor que infligi àqueles que estão mais próximos de mim e a várias outras pessoas", afirmou Petraeus em ton solene para a plateia, que incluía sua mulher, citando também seus filhos.

Quando o caso se tornou público, Petraeus disse a seus funcionários que era culpado por "julgamento extremamente infeliz". "Tal comportamento é inaceitável, tanto como marido quanto como líder de uma organização como a nossa", disse ele.

Na noite de terça-feira, Petraeus lembrou dos desafios da transição da vida militar para a civil. "Geralmente temos a visão de que, porque um indivíduo foi um grande soldado, ele ou ela vai naturalmente se dar bem no mundo civil", disse ele. "Na verdade, a transição do serviço militar para atividades civis é geralmente bastante desafiadora."

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
EUADavid PetraeusCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.