Petrobrás previne-se contra ações na Bolívia

Segundo executivo, medidas são conseqüência de ameaça da oposição

Nicola Pamplona, RIO, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2008 | 00h00

Algumas medidas já estão sendo tomadas pela subsidiária da Petrobrás na Bolívia para precaver-se diante das ameaças da oposição boliviana de invadir as instalações petrolíferas da empresa. A informação é de uma fonte ligada à estatal que conversou ontem com o Estado. Oficialmente, a Petrobrás não se pronunciou sobre o caso. Segundo um executivo da empresa, foram antecipadas as trocas de turnos e reforçados os estoques de mantimentos nos campos de petróleo para garantir o suprimento de produtos básicos, caso as instalações sejam cercadas por manifestantes contrários ao presidente Evo Morales. A empresa está adotando providências técnicas para atenuar o risco de uma redução forçada na produção de gás, caso as refinarias locais parem. A Petrobrás também tem mantido a rede de dutos que liga os campos ao Brasil em sua pressão máxima, garantindo um estoque maior de gás nas tubulações. Para o executivo, é baixo o risco de que o suprimento de gás boliviano (que abastece 40% do mercado brasileiro) seja de fato interrompido. "Na Bolívia, não podemos nos alarmar com qualquer coisa, mas precisamos nos precaver", disse. A mesma opinião tem o analista político Gonzalo Chávez, da Universidade Católica Boliviana, em La Paz. "Não acredito que as ameaças se concretizem, porque seria prejudicial para todos", afirmou. Em Brasília, o chanceler Celso Amorim disse que o governo brasileiro estudará "de maneira séria" as ameaças de grupos opositores bolivianos e, se for necessário, está disposto a "manter contato" com os governos regionais do país vizinho. Nos últimos dias, o Itamaraty buscou negociar com a oposição regional - que, por sinal, está divorciada da oposição parlamentar, que é mais flexível e considera as ameaças ao gasoduto uma atitude contraproducente. Mas o diálogo não prosperou.À tarde, Evo ordenou que a segurança dos campos de gás do Departamento de Tarija fosse reforçada por militares para garantir a exportação para o Brasil e a Argentina, segundo a assessoria de imprensa do Palácio Quemado. O líder boliviano também aprovou um decreto para descontar dos repasses aos governos locais o custo das reparações dos danos causados por grupos opositores em seus protestos. Enquanto isso, nas regiões opositoras, a tensão continuava a aumentar. Em Tarija, bloqueios de estradas causavam escassez de combustível. Em Santa Cruz, aliados de Evo anunciaram a organização de um contraprotesto. COLABOROU DENISE CHRISPIM MARIN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.