Petróleo e ações deverão ser afetados

Alta no preço do petróleo e queda no preço das ações são as conseqüências imediatas para os mercados financeiros do ataque militar norte-americano contra as forças do Taleban no Afeganistão. "O preço do petróleo poderá disparar nos próximos dias mais em razão de fatores psicológicos, como o medo e a incerteza sobre o futuro, do que propriamente pelos fundamentos do mercado de petróleo, uma vez que não há escassez de oferta do produto neste momento e a recessão mundial diminuiu a demanda", afirmou Fereidoon Sioshansi, presidente da Menlo Energy, consultoria de energia com sede na Califórnia. Apesar de amanhã ser feriado nos Estados Unidos (Dia de Colombo), as bolsas de valores operam normalmente e a previsão de a maioria dos analistas de Wall Street é que a ofensiva militar deverá reverter a alta das ações norte-americanas registrada na semana passada. "A incerteza do que virá pela frente deve inverter o movimento de compra de ações observado na semana passada, quando os investidores aproveitaram para comprar papéis que haviam ficado baratos com a queda do mercado nas últimas semanas", disse um operador de um grande banco de investimentos. Na semana passada, o índice Dow Jones subiu 3,1%, enquanto a Nasdaq subiu mais de 7%. "O nervosismo e a ansiedade poderão dominar o mercado como ocorreu na primeira semana, depois que a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) reabriu após os ataques terroristas do dia 11 de setembro", disse o operador. Na primeira semana de negócios depois dos ataques terroristas quando a NYSE ficou fechada por quatro pregões consecutivos, o Dow Jones caiu 14,3%, o pior desempenho desde a Grande Depressão na década de 30. "Os investidores deverão temer pelo impacto na economia e na confiança dos consumidores na possibilidade de uma guerra, depois da ofensiva militar de hoje", disse o operador. Apesar de as bolsas de valores operarem normalmente amanhã, o mercado de títulos do Tesouro norte-americano fecham por conta do feriado. Leia o especial

Agencia Estado,

07 Outubro 2001 | 20h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.