Sean Gallup/EFE
Sean Gallup/EFE

Pfizer atrasa envio de vacinas contra a covid-19 para oito países europeus

Empresa sofreu um incidente relacionado com o controle da temperatura no processo de carregamento e envio das vacinas, informou o Ministério da Saúde da Espanha, um dos países que deveriam receber as doses

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2020 | 12h18
Atualizado 28 de dezembro de 2020 | 14h48

MADRID - O envio de vacinas contra a covid-19 para oito países europeus, incluindo a Espanha, sofrerá um pequeno atraso, de um dia, devido a um problema logístico na fábrica da Pfizer na Bélgica, anunciou o Ministério da Saúde espanhol nesta segunda-feira, 28, um dia após o início da vacinação na União Europeia (UE). A empresa sofreu um incidente relacionado com o controle da temperatura no processo de carregamento e envio das vacinas, informou o ministério, acrescentando que o incidente já está resolvido.

"A Pfizer Espanha indica que foi informada pela sua fábrica de Puurs (Bélgica) do atraso nos embarques para oito países europeus, incluindo Espanha, devido a um problema no processo de carregamento e expedição", afirmou o ministério em comunicado, sem especificar quais são os outros sete países atingidos. 

O atraso na Espanha ocorre após a campanha de vacinação na Alemanha também enfrentar atrasos em várias cidades depois que os rastreadores de temperatura mostraram que cerca de mil doses de vacinas feitas pela Pfizer e sua parceira BioNTech podem não ter sido mantidas frias o suficiente durante o envio.

Em uma apresentação neste mês, a BioNTech disse que uma vez retirada do freezer, a vacina deveria ser armazenada por até cinco dias a 2°C-8°C e por até duas horas em temperaturas de até 30°C, antes do uso.

As caixas térmicas projetadas pela Pfizer são equipadas com rastreadores GPS para que as empresas possam lidar com possíveis problemas de armazenamento durante o trajeto.

A vacina, que usa a nova tecnologia de mRNA, deve ser armazenada em temperaturas ultrabaixas de cerca de -70°C antes de ser enviada aos centros de distribuição em caixas térmicas especialmente projetadas, cheias de gelo seco.

De acordo com o comunicado do ministério espanhol, o grupo farmacêutico garantiu ao ministério que "a situação já está resolvida", mas que "a próxima entrega de vacinas demorará algumas horas e chegará à Espanha na terça-feira, 29, para a continuação da vacinação em todo o território nacional. “A Espanha deveria recebe nesta segunda-feira 350 mil doses da vacina fabricada pelos laboratórios Pfizer e BioNTech. 

Por sua vez, um responsável pela Pfizer mencionou que havia um "pequeno problema de logística" não relacionado à linha de produção. “Devido a um pequeno problema de logística, mudamos a programação para um número limitado de entregas. Esse problema de logística foi resolvido e as entregas foram despachadas. Não há problemas de fabricação”, disse o diretor de comunicações globais da Pfizer, Andrew Widger, sem oferecer outros detalhes. 

Nos próximos três meses, a Espanha, uma das mais afetadas na Europa pela pandemia, que superou nesta segunda-feira os 50 mil mortes e mais de 1,8 milhão de casos, espera receber cerca de 350 mil doses semanais.

A maioria dos países da União Europeia começou neste fim de semana a vacinar suas populações contra o covid-19, injetando em idosos, trabalhadores da saúde ou autoridades políticas o antídoto da Pfizer / BioNtech, poucos dias após a aprovação das autoridades do bloco. / AFP e AP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.