Phuket teve alerta sobre ventos antes de acidente aéreo

O piloto indonésio do aviãoque se acidentou no balneário tailandês de Phuket tentou pousarapesar de ter sido alertado sobre o vento na região, disse naterça-feira uma importante autoridade do setor aéreo. Enquanto isso, líderes religiosos rezaram entre osdestroços do McDonnell Douglas MD-82 na pista do aeroporto,onde 89 pessoas morreram. No domingo, o avião saiu da pistadurante uma forte tempestade e bateu nas árvores das lateraisda pista, o que provocou uma explosão. Mesmo assim, 41 pessoassobreviveram. Minutos antes do acidente da companhia de baixo custoOne-Two-Go, dois outros pilotos que pousavam em Phuket haviamavisado que a direção e velocidade do vento estavam oscilandomuito, disse à Reuters Kamtorn Sirikorn, diretor da Aerothai,empresa encarregada do controle de tráfego aéreo. "O piloto definitivamente sabia da oscilação do vento,porque estava na mesma frequência de rádio que os dois aviõesanteriores", afirmou. "A torre de controle repetiu as condiçõespara ele, e ele as reconheceu pouco antes do pouso. A fita queouvi confirmava isso", acrescentou Sirikorn, referindo-se àgravação do diálogo torre-avião. Mas a empresa disse que as acusações contra o pilotoindonésio Arief Mulyadi e seu co-piloto tailandês, ambos mortosno acidente, são precipitadas, já que a investigação não estácompleta. "Quanto às pessoas aparecendo com declarações categóricassobre o que aconteceu, só não sei de onde tiraram essainformação, já que a caixa-preta ainda está a caminho dosEstados Unidos", disse o capitão Kajit Habanananda,presidente-executivo da companhia. "O capitão Arief Mulyadi era o nosso piloto maisexperiente, considerado como instrutor. Eu o conheciapessoalmente. Ele sempre mantinha a melhor compostura ao fazeravaliações sensatas." Autoridades dizem que a análise dos dados e da gravação dascaixas-pretas pode levar duas semanas. A maioria dos mortos em Phuket era de turistasestrangeiros. Entre os já identificados há 18 iranianos (sendo4 crianças e 2 casais em lua-de-mel), 5 norte-americanos, 4suecos, 1 francês, 1 australiano, 1 britânico e 1 canadense. (Com reportagem de Panarat Thepgumpanat em Bangcoc)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.