PIB japonês subiu 3,1% no primeiro trimestre de 2006

O Governo japonês informou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país subiu 3,1% em termos reais entre janeiro e março de 2006, em comparação com o mesmo período do ano passado, o que revela o bom desempenho da economia japonesa.Este crescimento foi impulsionado pelos fortes investimentos de capital, no segundo maior aumento da despesa das empresas registrado desde 1990. Em termos trimestrais, o crescimento foi de 0,8%, acima da alta de 0,5% inicialmente apontada pelo Governo.Os novos números divulgados pelo Gabinete de Ministros do Japão elevam consideravelmente as primeiras estimativas publicadas em 19 de maio, quando se informou que o crescimento real no primeiro trimestre do ano tinha sido de 1,9%.No entanto, estes novos dados estão mais de acordo com as previsões feitas pelos analistas e atores empresariais em maio.O aumento do PIB entre janeiro e março permitiu elevar o crescimento real da economia japonesa no ano fiscal 2005 (de 1º de abril de 2005 a 31 de março de 2006) a 3,2%, em comparação com 2004.O relatório preliminar sobre o crescimento econômico do ano fiscal2005 era de 3,0%. "A economia japonesa está dirigida pela demanda privada, com um forte consumo, e pelo investimento de capital", afirmaram fontes doEscritório de Governo citadas pela agência "Kyodo".Os investimentos de capital aumentaram 3,1% em termos reais nos três primeiros meses do ano em comparação com o trimestre anterior. O aumento do investimento empresarial chega a 13,9% se os dados forem comparados com o mesmo período de 2005, o segundo maior crescimento desde 1990.A despesa pessoal, que representa 55% do PIB japonês, subiu 0,5% em termos reais, enquanto as exportações aumentaram 2,7% no primeiro trimestre e as importações, 3,5%.Segundo os analistas citados pela imprensa japonesa, as empresas japonesas estão investindo mais devido ao bom desempenho da economia e o fim paulatino da deflação que afetou o país nos últimos anos, o que está gerando um notável aumento de suas vendas e lucros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.