Pilhagens e violência continuam na capital timorense

A violência entre quadrilhas rivais e a pilhagem continuam na capital do Timor Leste, Díli, apesar da presença de tropas internacionais, segundo informa a agência australiana AAP. Os confrontos entre grupos armados acontecem nesta terça-feira nas imediações do aeroporto internacional, afirmou a fonte.Na segunda-feira à noite 20 casas e lojas foram incendiadas em Bidau, nos arredores da capital. As tropas australianas foram chamadas, mas, segundo as testemunhas, demoraram três horas para chegar. Uma jovem de 14 anos perdeu quatro dedos e sofreu um ferimento na orelha, segundo uma enfermeira do hospital da capital.O comandante do Exército australiano no Timor, Michael Slater, garantiu, no entanto, que as tropas estão "a ponto de controlar" a segurança na capital. Soldados australianos protegeram a distribuição de 15 mil porções de arroz num armazém do Ministério de Agricultura. A distribuição ocorreu sem incidentes, segundo fontes oficiais.Ministro acusa governoO ministro de Assuntos Exteriores do Timor Leste e Prêmio Nobel da Paz, José Ramos Horta, afirmou que o governo do primeiro-ministro Mari Alkatiri fracassou e não foi capaz de representar a todos os timorenses."Fracassamos ao não abraçar as pessoas que estão em desacordo com o governo e ao não solucionar os problemas no Exército e na polícia, apesar do fato de que sabíamos que estavam aí", disse Ramos Horta em declarações à emissora de TV australiana Channel Nine."Por isso há tantas pessoas contrariadas com o primeiro-ministro e querem que renuncie", disse o ministro, que participa de reunião para avaliar a crise no país com o presidente, Xanana Gusmão, o primeiro-ministro, o Conselho de Ministros e o Conselho de Estado. A reunião começou na segunda-feira e continuará ao longo desta terça-feira na capital Díli."Podemos ver algumas mudanças no gabinete, mas em termos de uma possível renúncia por parte do primeiro-ministro não acho que possa ocorrer hoje", disse Ramos Horta, sobre o resultado que pode ter a reunião entre os principais dirigentes do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.