REUTERS/Eliseo Fernandez
REUTERS/Eliseo Fernandez

Piloto canta 'Despacito' e bloqueia comunicações com aeroporto na Argentina

A frequência teria ficado bloqueada por 15 minutos sem que o piloto percebesse

O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2017 | 13h22

BUENOS AIRES - Um piloto cantando o hit "Despacito" no microfone que comunicava o pequeno avião que comandava com a torre de controle interferiu nesta sexta-feira durante 15 minutos nas comunicações do principal aeroporto da Argentina, ainda que sem causar nenhum risco, informaram fontes oficiais.

Em um vídeo divulgado pelo canal "TN", o homem cantava sem perceber que seu microfone tinha ficado aberto, o que bloqueou um dos canais que a torre de controle do Aeroporto Internacional Ministro Pistarini de Buenos Aires utiliza, entre outras coisas, para se comunicar com os aviões.

Além dos versos do sucesso do cantor Luis Fonsi, que aparentemente foram ouvidos por todos os pilotos das demais aeronaves que se encontravam na mesma frequência, o espontâneo intérprete fez brincadeiras e disse que gosta "da erva".

"O senhor bloqueou a frequência todo o tempo, 15 minutos, e se escutou todo (...) saiu tudo ao ar", advertiu uma controladora ao piloto. "Desculpe, tinha travado o PTT do microfone", respondeu o homem.

"Tenho trânsito e tive que mudar de frequência para a decolagem porque você estava bloqueando", acabou dizendo a operadora, a quem o piloto pediu "mil desculpas".

Fontes da Empresa Argentina de Navegação Aérea, encarregada da aeronavegação, explicaram à EFE que este fato, que ocorreu em um avião pequeno, "não é um incidente considerável".

"Às vezes pode acontecer de uma frequência ficar bloqueada. Mas há outros canais e frequências (para usar). Simplesmente o microfone ficou travado enquanto ele cantava", explicaram, para acrescentar que não se observou no piloto a "intenção de provocar algo". / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
BUENOS AIRESArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.