Piloto da Ethiopian desobedeceu ordens da torre de controle

Avião com 90 pessoas a bordo caiu no Mar Mediterrâneo na segunda-feira; todos foram dados como mortos

Associated Press,

26 de janeiro de 2010 | 12h35

O piloto do avião da Ethiopian Airlines que caiu no litoral do Líbano na segunda-feira vou na direção oposta da recomendada pela torre de controle após decolar de Beirute em meio a uma tempestade, informou nesta terça-feira, 26, o ministro dos Transportes libanês.

 

Veja também:

Companhia confirma resgate de 60 corpos no Mediterrâneo

 

Todas as 90 pessoas a bordo do avião - 82 passageiros e 8 tripulantes - foram dadas como mortas quando o avião, já em chamas, caiu no Mar Mediterrâneo por volta das 2h30 locais.

 

Ghazi Aridi, ministro dos Transportes, disse que o piloto inicialmente seguiu as instruções da torre, mas de repente mudou o curso e tomou a direção oposta. "Pediram que ele corrigisse a rota mas ele fez uma curva brusca antes de desaparecer completamente do radar", disse o ministro.

 

Não se sabe por que motivo o piloto fez uma rota diferente da recomendada. Assim como a maioria dos aviões, o Boeing 737 é equipado com seu próprio radar climático, usado pelos pilotos para evitar voar através de tempestades.

 

O diretor da Ethiopian Airlines, Girma Wake, disse que os comentários do ministro libanês foram precipitados. "Fazer considerações prematuras não ajuda ninguém", disse Wake. "Ninguém está dizendo que o piloto é culpado. Deve haver alguma razão para explicar o que aconteceu. E só a caixa-preta pode dizer", respondeu Aridi. As autoridades libanesas descartaram as hipóteses de terrorismo e sabotagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.