Piloto de Airbus vira herói em NY

Chesley Sullenberger, que aterrissou no Rio Hudson e salvou a vida de 155 pessoas, tem 40 anos de experiência

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

17 de janeiro de 2009 | 00h00

Após o espetacular pouso forçado no Rio Hudson, próximo ao centro de Manhattan, o piloto da US Airways Chesley Sullenberger virou herói em Nova York. Especialistas classificaram o trabalho de Sullenberger, que salvou a vida de 155 pessoas, como "magistral". O governador de Nova York, David Paterson, chamou o feito de "um milagre no Hudson". O prefeito, Michael Bloomberg, classificou o piloto como "herói". A fama rendeu-lhe até uma homenagem na internet, onde foi criada na rede de relacionamento Facebook uma comunidade com o nome de "Fãs de Sullenberger". O piloto só abandonou o avião após todos os passageiros deixarem o aparelho. Gravações mostram que ele ficou calmo durante todo o percurso até atingir o rio. "Ele fez um trabalho maravilhoso", disse o passageiro Jeff Kolodjay. "Foi uma aterrissagem fenomenal", afirmou Fred Berretta, outro passageiro. "Aquele piloto é uma rocha", disse um policial ao tabloide New York Daily News, que estampou na primeira página a manchete Herói do Hudson.Sullenberger, de 57 anos, é piloto da US Airways desde 1980, tem mais de 19 mil horas de voo e quase 40 anos de experiência. Antes, pilotou caças para a Força Aérea americana. Ele é conhecido no meio por sua habilidade em situações de emergência e estratégias de segurança, tendo colaborado em vários estudos na área para a Nasa e a Associação de Pilotos dos EUA.O voo 1549 da US Airways ia de Nova York para Charlotte, na Carolina do Norte, quando os dois motores falharam menos de cinco minutos após a decolagem do Aeroporto La Guardia - acredita-se que vários pássaros atingiram as duas turbinas da aeronave. Sullenberger recebeu orientação para pousar no Aeroporto Teterboro, em New Jersey, mas concluiu que não conseguiria aterrissar e optou pelo pouso forçado no rio.RELATOSAlguns passageiros disseram ter ouvido uma explosão, seguida por fogo em uma das turbinas. Muitos começaram a rezar e a encolher-se ao perceber que o avião perdia altitude em pleno centro de Nova York. Em solo, o pânico também foi grande e várias testemunhas do acidente pensaram tratar-se de uma repetição dos ataques de 11 de setembro de 2001.No aeroporto de Charlotte, Sheikh Ali, colega de trabalho de Matt Kane, um dos passageiros, enviou uma mensagem de texto para o amigo reclamando do atraso e quase não acreditou na resposta. "Aterrissei no Hudson."Segundo relatos de membros da equipe de resgate publicados pelo New York Daily News, após o incidente Sullenberger, o piloto , sentou-se no terminal da balsa e foi visto tomando café, usando chapéu, como se nada tivesse acontecido. "Ele estava impecável", afirmou um bombeiro. "Ele parecia sereno. Seu uniforme estava perfeito", disse um policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.