Pilotos da Ibéria prometem estender greve

Os pilotos da maior companhia aérea espanhola, a Iberia, rejeitaram ontem a oferta da companhia de instaurar uma arbitragem para resolver o impasse em torno da disputa salarial e de melhores aposentadorias. Segundo matéria publicada no site do jornal Financial Times, o Sepla, sindicato que representa os pilotos, negou a proposta e convidou a Iberia a sentar novamente à mesa de negociações. A companhia interrompeu as negociações na segunda-feira depois que o sindicato rejeitou a última oferta proposta pela empresa espanhola. "Queremos negociar, mas não vemos a necessidade de uma terceira parte nesse processo", declarou a porta-voz do Sepla. Em resposta à postura da Iberia, o Sepla promete estender os dez dias de paralisação previstos para o período de julho e agosto, caso os administradores da Iberia não retomem as negociações. A Iberia fez a proposta de arbitragem ontem, depois de ter passado pelo terceiro dia de 24 horas de paralisação na segunda-feira, quando registrou prejuízos entre 6 milhões de euros (US$ 5,07 milhões) e 8,4 milhões de euros (US$ 7,1 milhões). Na carta enviada ao sindicato propondo a arbitragem, Xabier de Irala, o principal executivo da Iberia, acusou o Sepla de intransigência. Ele disse que a ação estava causando danos irreparáveis aos clientes e acionistas da Iberia, além de estar gerando conseqüências irreversíveis à companhia. Segundo a Agência Dow Jones, o ministro espanhol do Emprego vai convocar um conselho de ministros para ordenar a arbitragem para o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.