Martin Bernetti / AFP
Martin Bernetti / AFP

Piñera faz novas concessões e ONU envia missão para investigar abusos no Chile

Alta-Comissária para Direitos Humanos da ONU, Michele Bachellet, antecessora do presidente, chefiará investigação no país natal

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2019 | 18h06

SANTIAGO -O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou nesta quinta-feira, 24, novas medidas para conter os protestos no país, que completaram uma semana.

Entre as medidas, estão o relaxamento do toque de recolher em Santiago, o congelamento da tarifa de energia elétrica e um convite à Alta-Comissária para Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachellet, para visitar o país e analisar possíveis violações ocorridas na repressão aos protestos. 

Bachelet, que foi presidente do Chile antes de Piñera e pertencia à oposição a Piñera, aceitou o convite e mandou uma equipe ao país natal nesta tarde. 

Para Entender

Guia para entender os confrontos no Chile

Presidente diz que país está ‘em guerra’ diante das manifestações violentas; entenda o que está acontecendo

“Estou muito preocupada e triste de ver violência e morte no Chile”, disse a comissária. “Peço ao governo que trabalhe com todos os setores para encontrar soluções e aos manifestantes que protestem pacificamente.”

Ainda de acordo com a ex-presidente, a missão foi enviada ao Chile depois de um monitoramento feito pela ONU e depois do convite feito por Piñera. Ao menos 18 pessoas morreram, entre elas uma criança, desde o começo dos protestos no dia 18. Mais de 6 mil pessoas foram presas. 

Os protestos, no entanto, têm perdido força e se tornado menos violentos. Balanço do governo divulgado hoje indica que na quarta-feira não houve mortes e 735 pessoas foram presas. No dia anterior, esse número foi de 979. 

Para Entender

Presidente do Chile é visto comendo pizza durante protestos e foto viraliza

Sebastián Piñera foi flagrado no sábado em uma pizzaria; segundo portal chileno, ele foi celebrar o aniversário do neto com a família

Toque de recolher mais curto e tarifa congelada

Em pronunciamento, Piñera prometeu um plano de normalização e disse que pretende que a situação no país se acalme nos próximos dias. “A intenção é avançar com prudência e terminar com os toques de recolher e retirar o estado de emergência”, disse.

Os tumultos começaram na semana passada quando o governo anunciou um aumento equivalente a R$ 0,17 na tarifa do metrô de Santiago. Nos dias que se seguiram, os protestos evoluíram para queixas contra o sistema previdenciário, a jornada de trabalho e o alto custo de vida. 

Para contornar a situação, Piñera cedeu e anunciou a criação de um sistema de renda universal de cerca de R$ 2 mil, o aumento do benefício para idosos e melhores condições para compra de medicamentos. 

Nesta quinta-feira, o presidente também decidiu congelar o preço da tarifa de energia elétrica e revogou um aumento de 9,2% anunciado recentemente. 

Piñera admitiu que a série de medidas anunciadas não resolverão o grave problema de desigualdade social existente hoje no Chile, mas avaliou que os rumos que pretende tomar após a onda de protestos são adequados. 

“Sabemos que é um alívio importante que melhorará a qualidade de vida da população, mas isso vai requerer um esforço enorme do Estado, com redistribuição orçamentária e alguns sacrifícios”, acrescentou. 

O presidente prometeu também mandar ao Congresso projetos de lei que contribuam para a diminuição da desigualdade no Chile. 

Ivan Flores, presidente da Câmara dos Deputados de maioria opositora, disse que os parlamentares descartarão um recesso planejado anteriormente para acelerar as reformas.

Apesar das concessões, milhares de pessoas se reuniram hoje na Plaza Italia para protestar contra o governo. O ato, no entanto, foi pacífico. Houve registros de protestos também em Valparaíso e Concepción.

Ministro pede desculpas por mandar pessoas acordar mais cedo

Ainda ontem, o ministro chileno da Economia, Juan Andrés Fontaine, pediu desculpa  e colocou seu cargo à disposição depois de ter sugerido que as pessoas acordassem mais cedo para evitar a alta da tarifa do metrô em horários de pico. 

Quando a alta tarifária foi anunciada, em 8 de outubro, , Fontaine afirmou: “Quem sair mais cedo e pegar do metrô às sete da manhã tem uma tarifa mais baixa. Quem madrugar será ajudado.”

Ontem, o discurso mudou. “Humildemente peço perdão”, afirmou. / AP, EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.