EFE/Mario Ruiz
EFE/Mario Ruiz

Piñera incluirá igualdade de gênero na Constituição do Chile

Mudança faz parte de resposta a manifestações feministas no país; para presidente, uma sociedade também é medida pela forma como trata mulheres

O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 16h50

SANTIAGO - O presidente do Chile, Sebastián Piñera, assinou nesta segunda-feira, 28, um projeto de lei para incorporar na Constituição a obrigação de o governo promover a plena igualdade de gênero no país. Piñera explicou que o projeto propõe mudanças no primeiro artigo da Constituição para estabelecer que é "dever do Estado promover a igualdade de direitos, deveres e dignidade entre mulheres de homens, evitando toda forma de violência, abuso, assédio ou discriminação arbitrária".

"Chegou o momento de encarar com decisão e firmeza um das grandes fragilidades da nossa sociedade: a violência, a discriminação, os maus-tratos, o assédio e o abuso", disse o presidente. A reforma constitucional é uma das 12 medidas da agenda da igualdade de gênero que Piñera anunciou na quarta-feira como resposta a um grande protesto feminista no país, que incluiu a ocupação de dezenas de universidades e manifestações.

+ Ocupações feministas se espalham por centros de ensino no Chile

"A qualidade de uma sociedade se mete também pela justiça com que tratamos nossas mulheres e o respeito que damos a sua dignidade", disse Piñera em cerimônia na sede do governo. Ele citou algumas mulheres que marcaram a história do Chile, como a poetisa Gabriela Mistral, a artista Violeta Parra, a escritora Isabel Allende e a ex-presidente Michelle Bachelet.

O presidente ressaltou que a "nobre causa" de acabar com a discriminação contra a mulher requer o compromisso de toda a sociedade, passando por governo, imprensa, empresas e sindicatos. "Não podemos aceitar que as diferenças naturais sejam usadas para considerar nossas mães, esposas ou companheiras, e filhas como se fossem inferiores", afirmou Piñera. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.