Piñera toma posse no Chile em meio a novos tremores

Minutos após novos fortes tremores atingirem o Chile, hoje, Sebastián Piñera assumiu a presidência do país. A posse dele, oriundo de uma coalizão de centro-direita, encerrou duas décadas de domínio no país da Concertação, grupo de partidos de centro-esquerda. Piñera é o primeiro conservador a ser eleito presidente do Chile em 52 anos. É ainda o primeiro político ligado à direita a governar a nação desde o fim da ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990).

AE, Agencia Estado

11 de março de 2010 | 13h54

Piñera assumiu o cargo em Valparaíso, cidade costeira onde fica o Congresso chileno, minutos depois de um terremoto de magnitude 7,2 na escala Richter e outro, de 6,9, atingirem a região de Libertador O''Higgins, no centro do país. Um terceiro foi sentido na capital, Santiago, minutos depois.

As réplicas foram uma clara lembrança da dura tarefa da nova administração para reparar os estragos do terremoto de magnitude 8,8 ocorrido no dia 27 de fevereiro, que causou tsunamis e deixou quase 500 mortos, segundo números oficiais. Durante sua campanha, Piñera prometeu criar um milhão de novos empregos, acelerar o crescimento econômico para uma média de 6% ao ano e combater a criminalidade.

Ele assumiu o posto ocupado até então por Michelle Bachelet, que encerra seu mandato com aprovação recorde de 84% apesar das duras críticas recebidas pela resposta do governo ao terremoto do fim de fevereiro. Na opinião de vários analistas, as autoridades não agiram rapidamente para restaurar a ordem e aliviar o sofrimento das vítimas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChileterremotoSebastián Piñeraposse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.