Pinochet está à beira da morte, diz seu médico

O neurologista pessoal do general Augusto Pinochet disse hoje, em entrevista ao jornal La Segunda, que o ex-ditador "morrerá dentro de pouco tempo". "Pinochet tem uma encefalopatia diabética irreversível, que o levará à morte dentro de pouco tempo. A qualquer momento ele poderá morrer, e isso calará a boca de todos: ou terá um derrame cerebral ou uma morte súbita cardíaca", declarou o neurologista. O processo contra Pinochet, indiciado por 57 assassinatos e 18 seqüestros, foi suspenso na segunda-feira pela Corte de Apelações, considerando que o ex-mandatário sofre de demência vascular. Luis Fornazzari, um dos médicos que examinou Pinochet em janeiro, a pedido dos advogados de acusação, reiterou na terça-feira que o octogenário general tem condições físicas e mentais de enfrentar um julgamento. Respondendo hoje a Fornazzari, Ferrer disse que "não é possível julgar um demente dentro do conceito atual de demência, que se refere à debilidade das funções cognitivas - basicamente a memória e a capacidade de abstração". Fornazzari disse que os três juízes que suspenderam o julgamento de Pinochet receberam um relatório médico parcial, baseado quase inteiramente nas informações de Ferrer, de um médico de família do ex-ditador e de outro indicado por seus defensores. O procurador da Corte de Apelações, Roberto Rocha, encarregado de recomendar uma sentença aos juízes, resumiu os males do general e recomendou a suspensão do processo. Os advogados de acusação se indignaram com a atitude de Rocha e o acusaram de ter vínculos com os defensores - já que trabalha na Universidade do Desenvolvimento, ligada à ultradireitista União Democrata Independente, e da qual é decano o advogado Pablo Rodríguez, um dos principais defensores de Pinochet. Ferrer também testemunhou perante a corte que Pinochet não devia ser fichado criminalmente porque sofreria de uma depressão que afetaria sua saúde. Ativistas de direitos humanos, advogados e grupos políticos esquerdistas não acreditam que Pinochet esteja gravemente enfermo, nem que esteja demente a ponto de não poder ser julgado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.