Pinochet foi infiel à mulher quando era adido no Equador, diz TV

O octogenário ex-ditador chileno Augusto Pinochet foi infiel à sua esposa quando desempenhava a função de adido militar de seu país no Equador, segundo revelou uma reportagem da televisão estatal chilena.Ao aproximar-se o 30º aniversário do golpe militar de 11 de setembro de 1973, multiplicam-se os programas jornalísticos na televisão, no rádio e na imprensa escrita mas, até agora, nenhum deles havia feito referência às relações sentimentais de Pinochet. O ?Informe Estelar?, programa de maior audiência do Canal 7, abordou o tema em sua edição de terça-feira à noite. Segundo o programa, há mais de quatro décadas, enquanto o general estava como adido militar em Quito, sua mulher, Lucía Hiriart, voltou a Santiago ?ao tomar conhecimento de uma infidelidade (do marido)?, segundo o jornalista e comentarista Hernán Millas, entrevistado pelo Canal 7. Não foram dados mais detalhes, nem nomes nem circunstâncias sobre o episódio.Monica Madariaga, que foi ministra da Justiça e da Educação, além de embaixadora chilena na Organização dos Estados Americanos durante o regime de Pinochet, também foi consultada sobre o tema e contou que Hiriart era mutio ciumenta. ?Ela tinha ciúmes de qualquer mulher que estivesse em volta de Pinochet?, afirmou Madariaga. O ex-ditador, de 87 anos, e sua esposa vivem semi-enclausurados em suas casas de Santiago e de Los Boldos, perto do litoral. Atualmente, o ex-governante sofre de um tipo de demência moderada provocada por microderrames cerebrais e de diabetes, está praticamente surdo e a artrose imobiizou seu joelho direito, além de usar marcapasso.E, embora a Corte Suprema o tenha eximido de ser julgado pelo desaparecimento e execução de 75 prisioneiros políticos devido à sua enfermidade mental, o Partido Comuista busca outro foro para poder julgá-lo pelo desaparecimento da cúpula da agremiação, em maio de 1976.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.