Pinochet pode não ser julgado por franceses desaparecidos

Uma advogada das famílias de quatro franceses que supostamente foram vítimas da ditadura de Augusto Pinochet expressou nesta segunda-feira sua fúria diante da possibilidade de que seus casos nunca sejam julgados.Pinochet, de 91 ano e que no domingo sofreu um ataque cardíaco, está hospitalizado em estado grave. Sua ditadura de 17 anos cometeu milhares de assassinatos políticos, torturas e detenções ilegais."Pinochet passará à história como o homem que nunca foi julgado", disse a advogada Sophie Thonon.Desde outubro de 1998, juízes vêm investigando o desaparecimento de quatro cidadãos franceses entre 1973 e 1990 no Chile, quando Pinochet estava no poder. Ordens internacionais de prisão foram emitidas contra o general e 18 oficiais militares.Thonon criticou o lento processo judicial, que, entre outras coisas, permite que suspeitos em idade avançada nunca sejam julgados."O que mais me enfurece é que Pinochet, sem dúvida, vai morrer sem ser levado a julgamento", disse Thonon.Entre os franceses desaparecidos está Georges Klein, médico pessoal do deposto presidente Salvador Allende. Klein desapareceu em 11 de setembro de 1973, dia do golpe de Estado que levou à morte de Allende e à ascensão de Pinochet ao poder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.