Pinochet será processado por crimes de tortura

O juiz chileno Alejandro Solís aceitou nesta sexta-feira a abertura de um processo que irá julgar o ex-ditador Augusto Pinochet como autor dos seqüestros e torturas cometidas no centro de detenção de Villa Grimaldi, informaram fontes judiciais.Ao mesmo tempo, o magistrado ordenou que o ex-governante (1973-1990) seja mantido sob prisão domiciliar a partir da próxima segunda-feira, dia em que receberá a notificação do processoSolís adotou a decisão pouco depois de rechaçar uma petição da defesa de Pinochet, que queria que o general fosse poupado neste caso, já que ele estaria incapacitado física e mentalmente para participar do julgamento.Após considerar que o militar nonagenário não está privado de razão, o juiz aceitou as acusações contra o ex-ditador por 36 seqüestros qualificados e 23 delitos de tortura realizados no antigo centro de detenção de Villa Grimaldi.Esta é a primeira vez que o ex-militar é processado por tortura.Pinochet foi examinado e declarado apto para o julgamento após ter sido processado por sua responsabilidade em vários crimes da Operação Colombo, montada em 1975 para encobrir o desaparecimento de 119 opositores.Pinochet foi examinado e declarado apto para um julgamento após ter sido processado por sua responsabilidade em diversos crimes da Operação Colombo, montada em 1975 pela DINA para encobrir o desaparecimento de 119 opositores. Solís interrogou Pinochet em 18 de outubro, sobre o caso Villa Grimaldi,e na conclusão desta sexta-feira, Solís considerou o ex-chefe do Exército como "lúcido e entende as conseqüências do que diz". o juiz acrescentou que Pinochet teve uma "reação emotiva" quando perguntado sobre as declarações de um ex-agente da DINA, Ricardo Lawrence, que afirmou que o então ditador pedia pessoalmente por informes periódicos sobre os detidos em Villa Grimaldi. Em tal lugar, chamado pela DINA de "Quartel Terranova", passaram aproximadamente 5 mil opositores. Todos foram torturados e 926 desapareceram, segunda dados oficiais. Entre os prisioneiros, estiveram, no começo de 1975, a atual presidente do Chile, Michelle Bachelet e sua mãe, Angela Jeria.Neste julgamento, Pinochet foi absolvido pela Corte Suprema no último quatro de outubro, o que precedeu o interrogatório do juiz Solís no dia 18. Também são processados por esse caso o general da reserva Manuel Contreras, que dirigiu a DINA, os generais Hernán Ramírez Hald e César Manríquez, os ex-brigadeiros Pedro Espinoza, MiguelKrassnoff e Fernando Laureani, o ex-capitão Manuel Carevic e o suboficial Basclay Zapata, todos do Exército. Pinochet também foi interrogado nesta quinta-feira pelo juiz Victor Montiglio, sobre o assassinato de um dos presos da "Caravana da Morte", comitiva militar que assassinou 75 opositores em 1973. Ainda que Pinochet foi absolvido desta causa em 2002 por um diagnóstico médico de "demência subcortical", em 13 de julho a Corte Suprema retirou novamente sua imunidade para ser investigado pelo seqüestro e morte de Wagner Salinas e FranciscoLara, dois ex-guardas do presidente Salvador Allende. Pinochet também é processado por evasão tributária e falsificação de passaportes, e é investigado por malversação de fundos públicos, após contas milionárias que controlava no exterior terem sido descobertas, nas quais acumulou uma fortuna calculada até agora em 26 milhões de dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.