Pior chuva em 60 anos mata 37 em Pequim

Mais de 50 mil pessoas foram forçadas a deixar suas casas e a tempestade deve continuar hoje

PEQUIM , / AFP e AP, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2012 | 03h05

As chuvas mais fortes dos últimos 60 anos na China deixaram ao menos 37 mortos na região de Pequim. A maioria das vítimas morreu ao ser arrastada por enchentes na capital chinesa e nas pequenas cidades da região metropolitana.

Mortes também foram provocadas por desabamentos de imóveis e por choques elétricos em locais inundados. Algumas ruas da capital tinham acúmulo de até um metro de água ontem.

As tempestades começaram na tarde do sábado. O governo local comunicou que os serviços de transporte público não foram interrompidos, mas as estações de metrô e trens ficaram abarrotadas de pessoas impedidas de usar outros meios como carros ou táxis. Segundo a polícia, cerca de 7 mil homens seriam destacados para reforçar a segurança do tráfego nas ruas.

A agência oficial de notícias Nova China informou que cerca de 50 mil pessoas já foram retiradas dos locais de risco, especialmente em áreas montanhosas nos subúrbios rurais da cidade. Segundo as autoridades chinesas, vários deslizamentos de terra foram registrados na área suburbana de Fangshan.

Na região, bombeiros precisaram resgatar 350 alunos e 40 professores que ficaram ilhados em um acampamento de treinamento militar. Outros 20 moradores de uma pequena aldeia próxima a Fangshan ainda precisavam ser retirados pelas equipes de emergência, segundo informou o jornal China Daily.

Em alguns distritos, o serviço de meteorologia registrou precipitação de 460 mm no sábado, a maior desde 1951; no subúrbio de Pinggu, a precipitação alcançou 100,3 mm.

Caos. O aeroporto internacional de Pequim registrou cerca de 500 cancelamentos de voos durante o fim de semana. No sábado, o terminal chegou a acumular quase 80 mil passageiros impossibilitados de seguir viagem.

O governo advertiu que mais tempestades estavam previstas para hoje no nordeste da China, até mesmo em Pequim e na cidade portuária de Tianjin, além das províncias de Sichuan, Yunnan, Guandong (Cantão), Hainan e Mongólia Interior.

O nível de alerta meteorológico subiu para "laranja", o segundo mais alto em uma escala de cores utilizada pelas autoridades. O diretor do serviço de meteorologia de Pequim, Guo Wenli, disse que a precipitação de hoje pode chegar a 70 mm.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.