RIZWAN TABASSUM/AFP
RIZWAN TABASSUM/AFP

Pior onda de calor no Paquistão em 35 anos deixa mais de mil pessoas mortas

Em Karachi, os necrotérios estão lotados e hospitais têm dificuldade para dar atendimento a todos os pacientes 

O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2015 | 10h08

KARACHI - A pior onda de calor em 35 anos a atingir o Paquistão, já matou ao menos 1.130 pessoas, informou uma organização de caridade nesta quinta-feira, 25. Em Karachi, cidade mais afetada, os necrotérios começam a ficar sem espaço e hospitais públicos enfrentam dificuldades para lidar com a situação.

A onda de calor na cidade de 20 milhões de habitantes coincidiu com cortes nos fornecimento de eletricidade, deixando muitos sem ventilador, água e energia, e com o início do mês sagrado do Ramadã, quando muitos muçulmanos não comem ou bebem durante o dia.

Algumas lojas se recusaram a vender gelo ou água durante o dia, citando leis religiosas que podem resultar em penas. 

Lotação. A chegada de um grande fluxo de corpos nos necrotérios forçou os funcionários a guardarem os corpos em bolsas no chão, disse Anwar Kazmi, da organização de caridade Edhi Foundation. Os equipamentos de ar-condicionado no necrotério pararam de funcionar.

O governo provincial fez pouco, exceto culpar os outros, segundo Kazmi. "Pagamos tributos aos médicos e funcionários dos hospitais do governo que estão trabalhando sem parar, tratando uma infinidade de pacientes", disse. "O governo de Sindh não fez nada exceto culpar a K-electric pelas mortes".

A K-eletric é uma companhia privada de energia que abastece Karachi. A empresa diz que conexões ilegais estão sobrecarregando as linhas e a demanda aumentou por conta do calor. Segundo a K-electric, o governo deve mais de US$ 1 bilhão em contas não pagas. /REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoonda de calorKarachi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.