Piratas da Somália libertam navio egípcio

Piratas da Somália libertaram ontem um navio egípcio e seus 28 tripulantes depois de manterem o controle da embarcação por mais de dois meses, afirmou hoje Saeed Morsy, embaixador do Egito em Nairóbi, Quênia. Segundo ele, o navio Blue Star carregava 6 mil toneladas de fertilizantes quando foi atacado por piratas armados no dia 1º de janeiro enquanto atravessava o Mar Vermelho e entrava no Golfo de Áden. O jornal egípcio Al-Badeel afirmou que foi pago um resgate pela libertação do navio, citando o pai de um dos tripulantes. Segundo o jornal, o navio seguia para o Quênia para reabastecimento e irá retornar para o porto de Alexandria, no Egito, em três dias. Nesta quinta-feira, a Marinha dos Estados Unidos entregou a autoridades quenianas sete supostos piratas, presos no dia 11 de fevereiro, para que sejam julgados depois de tentarem sequestrar no Golfo de Áden o navio Polaris, de banheira das Ilhas Marshall. Marinheiros norte-americanos encontraram a bordo rifles automáticos e granadas propelidas por foguetes. De acordo com uma autoridade, há evidência suficiente contra os sete suspeitos para que seus julgamentos sigam adiante. Autoridades da Alemanha lançaram investigação contra nove supostos piratas capturados por uma fragata alemã no Golfo de Áden. Eles foram presos ontem depois de atacarem um navio do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.