Piratas querem resgate de US$2 mi por refém americano

Capitão detido pelos corsários pulou no mar numa tentativa de fuga, mas foi resgatado pelo bote salva-vidas

Reuters,

10 de abril de 2009 | 14h57

Piratas somalis que mantêm um refém norte-americano em um barco salva-vidas à deriva pediram US$ 2 milhões pelo resgate, disse nesta sexta-feira, 10, um pirata em terra ligado aos sequestradores.

 

Falando à Reuters do porto de Haradheere, o pirata também afirmou que outros piratas estão levando um navio alemão sequestrado, de tripulação estrangeira, para o local no Oceano Índico onde está o barco salva-vidas, que está sendo monitorado por forças navais dos Estados Unidos. Durante a noite, o capitão que é mantido como refém no barco salva-vidas, Richard Phillips, pulou no mar, mas pelo menos um pirata rapidamente o seguiu e o trouxe de volta, disse uma fonte militar. "Ele não foi muito longe", disse o oficial à Reuters.

 

O grupo de piratas que mantém Phillips no Oceano Índico, distante da costa somali desde quarta-feira, permaneceu desafiador apesar da chegada de embarcações da Marinha dos EUA e de outros países à área. "Não temos medo dos americanos", disse um dos piratas à Reuters por telefone via satélite. "Nós nos defenderemos se formos atacados."

 

Apesar da declaração, os grupos marítimos que acompanham a saga - na primeira vez que piratas somalis capturam um norte-americano - dizem que o desfecho mais provável é uma solução negociada, possivelmente envolvendo um salvo-conduto em troca do refém. Quatro piratas mantêm Phillips (um ex-taxista de Boston) como refém desde quarta-feira, após uma tentativa fracassada de sequestrar o cargueiro Maersk Alabama, de 17 mil toneladas, a centenas de quilômetros da costa da Somália. O barco salva-vidas do cargueiro ficou sem combustível.

 

Duas embarcações com piratas fortemente armados foram para o local em solidariedade aos quatro do barco salva-vidas, mas estão muito nervosos para se aproximar em razão da presença de embarcações militares estrangeiras incluindo o destroier USS Bainbridge.

Tudo o que sabemos sobre:
PiratariaSomáliaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.