Piratas sequestram rebocador de bandeira italiana

Autoridades dizem que não está claro se o ataque ocorreu na costa da Somália ou nas proximidades do Iêmen

Efe e AP,

11 de abril de 2009 | 12h03

Um rebocador com bandeira da Itália, com dez italianos entre os 16 membros da tripulação, foi sequestrado neste sábado, 11, por piratas no Golfo de Áden, conforme confirmaram fontes da Chancelaria italiana.

 

Trata-se do rebocador Buccaneer, propriedade da empresa Micoperi, da Itália, que foi sequestrado por um número por enquanto desconhecido de piratas quando estava a 60 milhas do golfo de Áden, entre a Somália e o Iêmen.

 

O dono da empresa Micoperi, Claudio Bartolotti, confirmou à imprensa local que o rebocador, de 75 metros, se dirigia de Cingapura ao Canal de Suez, porém evitou dar mais informações.

 

O rebocador puxava outras duas embarcações na hora do sequestro.

 

Os 16 membros da tripulação, segundo as mesmas fontes, se encontram bem e não estavam armados. Além dos dez italianos, estavam a bordo cinco romenos e um croata.

 

Segundo as fontes, o sequestro também foi confirmado por um militar português de um navio militar desse país que se encontra na área.

 

O militar, identificado como tenente Sergio Carvalho, que se encontra no navio português NRP Corte Real, contou que o rebocador lançou um pedido de socorro, mas que a comunicação foi interrompida.

 

O navio português, segundo as mesmas fontes, citadas pela imprensa italiana, encontrava-se muito longe do rebocador para prestar auxílio.

 

Segundo o chefe do Programa de Segurança Marítima do Leste Africano, Andrew Mwangura, o rebocador estava rebocando dois barcos quando foi atacado.

 

Mwangura disse que não estava claro se o ataque ocorreu na costa da Somália ou nas proximidades do Iêmen.

 

Atualizada às 15h35

Tudo o que sabemos sobre:
sequestropiratas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.