Piratas somalis pressionam Espanha a libertar presos

Piratas que mantêm uma embarcação espanhola perto da costa da Somália separaram três tripulantes reféns para levá-los para terra firme. O objetivo é pressionar as autoridades de Madri a soltar piratas capturados, informaram as mulheres de dois marinheiros. A ministra da Defesa espanhola, Carme Chacón, confirmou a ação e não quis comentar as motivações dos piratas.

AE-AP, Agencia Estado

05 Novembro 2009 | 16h04

O navio espanhol tinha 36 pessoas a bordo e foi capturado em 2 de outubro. Ele está agora perto da costa somali. A ação ocorreu dois dias após a prisão de dois supostos piratas perto da Somália, realizada por uma força que contava com espanhóis. A ministra disse que o governo não descarta qualquer opção para resgatar os reféns, inclusive uma ação militar.

Em outro incidente, piratas tomaram hoje um navio grego com 21 pessoas a bordo, segundo a força naval da União Europeia que combate a pirataria no Oceano Índico. A embarcação, com bandeira das Ilhas Marshall, seguiria para Zanzibar, mas foi vista pela última vez a leste de Mombaça, no Quênia. Com a captura, sobe para 210 o número de reféns dos piratas, de dez embarcações capturadas.

Mais conteúdo sobre:
piratas Somália Espanha reféns presos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.