Piratas somalis sequestram petroleiro no Golfo de Áden

Diplomata confirma que 13 tripulantes que estavam a bordo foram levados pelos corsários no Oceano Índico

Agência Estado e Associated Press,

29 de janeiro de 2009 | 10h57

Piratas somalis sequestraram, nesta quinta-feira, 29, um petroleiro e sua tripulação de 12 filipinos e um indonésio no Golfo de Áden, informou um diplomata sediado em Nairóbi que falou em condição de anonimato.   A pirataria aumentou contra navios internacionais, especialmente no Golfo de Áden, uma das rotas mais usadas do mundo. Segundo estimativas, os piratas ganharam cerca de US$ 30 milhões com o resgate de embarcações sequestradas no ano passado, tendo tomado mais de 40 navios nos 3 mil quilômetros da costa somali.   As águas da Somália são atualmente patrulhadas por mais de dez navios de guerra de países que incluem a Grã-Bretanha, França, Alemanha, Irã e os Estados Unidos. China e Coreia do Sul também ordenaram o envio de navios para proteger suas embarcações e tripulações dos piratas.   A Somália, um país de cerca de 8 milhões de pessoas, não tem um governo que controle de fato o país desde que senhores da guerra depuseram um ditador em 1991 e, em seguida, passaram a lutar entre si. A costa do país tornou-se um refúgio para piratas.

Tudo o que sabemos sobre:
Pirataria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.