Pires desconhece acusação de abuso na missão no Haiti

O ministro da Defesa brasileiro, Waldir Pires, disse nesta quarta-feira desconhecer quaisquer informações sobre abuso sexual de menores em missões no Haiti, conforme admitiu a secretária geral assistente para as Missões de Paz da Organização das Nações Unidas, Jane Lute, em entrevista à BBC. Pires falou ao Estado durante a cerimônia de formatura de aspirantes a oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) em Pirassununga, no interior de São Paulo. Segundo ele, embora as missões de paz no Haiti sejam comandadas por militares brasileiros, é à ONU que eles se reportam em casos como este. "Neste momento eles têm uma ligação de subordinação às Nações Unidas. São agentes das Nações Únicas. Mas sem dúvida nenhuma o Ministério da Defesa responde por isso e, se confirmado, passa a ser um caso disciplinar", afirmou Pires. De acordo com o ministro, casos dessa natureza devem ser apurados com rigor, mediante à instauração de um inquérito. "Mais que uma sindicância, deve-se instaurar-se um inquérito, pois trata-se de algo intolerável", disse o ministro. Pires afirmou no início da tarde que procuraria informar-se sobre as declarações feitas por membros da ONU e sobre as investigações feitas pela BBC, acerca de abuso sexual de menores no Haiti e na Libéria. Além de informar-se sobre as missões, e sobretudo a respeito do comando brasileiro no Haiti, o ministro disse querer dados sobre o suposto envolvimento direto de brasileiros no caso. "Qualquer coisa que ocorra nesse nível deve chegar a nós e, conforme for, será tratado como procedimento criminal e absolutamente apurado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.