Pistoleiros matam político muçulmano no Paquistão

Pistoleiros em um veículo utilitário assassinaram o político muçulmano sunita Maulana Azam Tariq e mais quatro pessoas em uma ação à luz do dia, na periferia de Islamabad, a capital paquistanesa, informaram autoridades locais. Tariq é um político conservador que, no passado, liderou o proscrito grupo extremista sunita Sipah-e-Sahaba e era membro do Parlamento paquistanês.No hospital PIMS, para onde foram levados os corpos, Maulana Rashid Faruqi, secretário pessoal de Tariq, confirmou a morte de seu chefe. Os outros quatro mortos no incidente eram o motorista do político e seus três seguranças. O ataque ocorreu perto de uma praça de pedágio na região sudoeste da cidade, disse Mohammed Akram, comissário de polícia de Islamabad. A emissora de televisão local Geo mostrou imagens das vítimas deitadas ao lado do carro perfurado por balas, em meio a estilhaços de vidro. Aparentemente, todos os mortos eram homens. Nenhum grupo assumiu, até o momento, a autoria do atentado, mas Tariq tinha um número considerável de inimigos. Ele foi detido pelo governo do Paquistão no início da operação militar liderada pelos Estados Unidos contra o Afeganistão, para evitar que promovesse manifestações de apoio ao Taleban. Mesmo atrás das grades, foi eleito para o Parlamento em outubro de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.