PKK mata 8 soldados turcos em ataque a posto militar

De acordo com a imprensa local, 40 soldados foram abatidos nos últimos dois meses pelo partido curdo

Efe,

19 de junho de 2010 | 06h35

ANCARA - Oito soldados turcos morreram na sexta-feira, 18, em um ataque do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) a um posto militar na província sudeste de Hakarri, perto da fronteira iraquiana.

Segundo confirmou em comunicado o Estado-Maior turco, o ataque a este batalhão fronteiriço aconteceu por volta das 2h (hora local, 22h de Brasília de sexta-feira).

A nota acrescenta que após o ataque se ordenou uma ampla operação militar com o desdobramento de tropas de reforço na região, apoiadas por fogo de artilharia e helicópteros.

Como parte da operação, a Força Aérea realizou várias incursões para bombardear bases do PKK no norte do Iraque. Segundo o exército, pelo menos 12 militantes do PKK morreram nesta operação.

Já na sexta-feira, o Estado-Maior turco advertiu em comunicado que se esperava um aumento das atividades do PKK nos próximos dias. Nesse mesmo anúncio, o Exército assegurou que cerca de 130 rebeldes curdos tinham sido abatidos pelas Forças Armadas desde março passado.

Essa informação se tornou pública dois dias após uma incursão de tropas turcas em território iraquiano para perseguir um grupo de militantes do PKK, que dispõe de bases nas montanhas do norte do país.

Além disso, a imprensa local informou recentemente que 40 soldados foram abatidos nos dois últimos meses pelo PKK, um grupo considerado terrorista pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

O PKK advertiu há dois meses sobre seus planos de atacar alvos militares e econômicos também no oeste da Turquia, dentro de uma nova estratégia de "defesa ativa".

O PKK se levantou em armas em 1984 contra Ancara para exigir a autonomia dos 12 milhões de curdos que vivem na Turquia. Desde então, calcula-se que cerca de 40 mil pessoas morreram nos confrontos entre os guerrilheiros e as forças de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.