Planalto investiga ação de servidor em dossiê anti-Yoani

O governo começa a investigar hoje denúncia da revista Veja de que o servidor Ricardo Augusto Poppi Martins, da Secretaria-Geral da Presidência, teria participado de um suposto plano de espionagem e pedido de divulgação de um dossiê contra Yoani Sánchez, Coordenador de Novas Mídias e Outras Linguagens de Participação, Poppi Martins está em Cuba desde o dia 11 e retornaria hoje ao Brasil. Ele participou de encontro sobre redes sociais e meios alternativos de comunicação, segundo o Palácio do Planalto.

O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2013 | 02h00

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência informou que nenhum servidor foi autorizado a tratar da visita de Yoani ao Brasil. Segundo Veja, o dossiê teria sido distribuído numa reunião da Embaixada de Cuba no Brasil com militantes de esquerda, entre eles do PT e do PC do B. A Secretaria confirmou que Poppi Martins esteve na embaixada no dia 6, mas o objetivo era obter seu visto de entrada no país.

A oposição cobrou explicações do Palácio do Planalto sobre o eventual envolvimento de Poppi no suposto plano. "Se essa denúncia se confirmar, ficará comprovada mais uma trapalhada desse governo, que tem sido recorrente em práticas que infringem as leis", afirmou o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP).O PSDB no Senado também pretende convocar os ministros Carvalho e Antonio Patriota (Relações Exteriores), e o embaixador cubano, Carlos Rodríguez, para dar explicações. / EUGÊNIA LOPES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.