Plano da Al-Qaeda para 11/9 era maior, diz investigação

O plano elaborado por Khalid Shaikh Mohammed para os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos envolviam uma série muito maior de atentados, com o seqüestro de 10 aviões, um dos quais Mohammed pilotaria em pessoa e faria pousar num aeroporto, depois de matar todos os passageiros do sexo masculino. Uma vez no solo, Mohammed faria um discurso antiamericano.Esse plano está entre os novos detalhes apresentados em relatório da comissão independente que investiga os ataques de 11/9. Com base em documentos e entrevistas, o comitê afirma que Mohammed pretendia usar 10 aviões, atingir as sedes da CIA e do FBI, usinas nucleares e prédios na Califórnia e no Estado de Washington, além das Torres Gêmeas, Pentágono e a Casa Branca ou o Capitólio.Mohammed, que se encontra sob custódia dos EUA em local secreto, disse a seus interrogadores que, em vez de jogar seu avião contra um alvo, ele queria pousar e fazer uma declaração política. O relatório mostra ainda que, longe de uma operação bem planejada e conduzida, o plano foi abalado por discórdia entre os participantes, incluindo desentendimentos sobre qual edifício atingir na capital, se a Casa Branca ou o Capitólio. Osama bin Laden também teve de superar a oposição do mulá Omar, líder do Taleban, que estava sob pressão para manter a Al-Qaeda contida e evitar um contra-ataque dos EUA.O piloto do avião que caiu na Pensilvânia, Ziad Jarrah, quase desertou, levando Mohammed a planejar substituí-lo por Zacarias Moussaoui, que atualmente aguarda julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.