Plano da Al-Qaeda previa ataque com 10 aviões

Khalid Sheik Mohammed, apontado como o autor intelectual dos atentados de 11 de setembro de 2001, disse aos investigadores americanos que o plano de ataque foi discutido pela primeira vez com Osama bin Laden em 1996. A idéia original era a de seqüestrar dez aviões, cinco em cada costa americana, mas esses planos foram modificados várias vezes até ser posto em prática. A revelação foi feita hoje pela agência de notícias Associated Press, que teve acesso exclusivo a registros dos interrogatórios. Não ficou claro quais seriam os alvos escolhidos para os ataques. Mohammed também disse que, em seu estágio final, o plano de seqüestro previa a participação de pelo menos 22 terroristas suicidas e o seqüestro de quatro aviões numa primeira onda de terror. Esses ataques seriam seguidos por uma segunda onda de atentados, que possivelmente envolveria grupos aliados da Al-Qaeda no Sudeste Asiático. Em cima da hora, Bin Laden alterou várias partes do plano, suprimindo os ataques nas duas costas e a participação dos aliados. Os relatórios obtidos pela AP se referem a depoimentos prestados por Mohammed a uma comissão investigadora do Congresso. Durante o interrogatório, Mohammed disse nunca ter ouvido falar em Omar Bayoumi, o funcionário saudita acusado pelos EUA de ter dado apoio financeiro aos seqüestradores de 11 de setembro. A acusação causou mal-estar entre os governos dos EUA e da Arábia Saudita, que nega qualquer envolvimento de seus agentes nos atentados. O dirigente terrorista disse também que as equipes de seqüestradores tinham sido recrutadas em diversos países, mas quase todos os terroristas selecionados originalmente tiveram problemas para entrar nos EUA e foram substituídos. Mohammed foi preso em 1º de março pela polícia local na cidade paquistanesa de Rawalpindi.

Agencia Estado,

21 Setembro 2003 | 18h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.