Plano de segurança reduz violência em 80%, diz general

O plano de segurança para Bagdá, em vigor desde quarta-feira, 14, reduziu a violência na capital em cerca de 80%, afirmou neste sábado, 17, o porta-voz oficial do novo esquema, o general Qasem Ata al-Musawi.Musawi fez este anúncio em entrevista coletiva em Bagdá, na qual também afirmou que, nos últimos quatro dias, 144 suspeitos foram detidos por suposto envolvimento em atividades de violência.Além disso, o porta-voz revelou que, nas inspeções de casas, os moradores assinam, tendo dois vizinhos como testemunhas, uma declaração de que nessas operações as forças de segurança iraquianas não cometeram violações dos direitos humanos nem roubos.Posteriormente, as assinaturas, registradas em cadernos, são entregues à divisão militar que fez as inspeções, afirmou Musawi."O que diferencia este novo plano de segurança dos anteriores aplicados em Bagdá é que as tropas que estão postadas nas áreas em que o terrorismo já foi removido permanecem nelas para permitir o retorno das famílias que foram obrigadas a abandonar suas casas", destacou o alto funcionário.Musawi antecipou ainda que a nova estratégia inclui a revisão das autorizações para o porte de armas de agentes de companhias de segurança privadas e reiterou que o plano não é dirigido contra nenhum grupo étnico, confessional ou político específico.Devido à operação, cujo início foi anunciado na quarta-feira pelo primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, o governo fechou as fronteiras com a Síria e o Irã, mas hoje começou a reabri-las parcialmente.Apesar da implementação do plano, cinco iraquianos ficaram feridos neste sábado por uma explosão durante a passagem de uma viatura policial por uma avenida do bairro Al Gedir, no leste de Bagdá, informaram fontes de segurança.Além disso, pelo menos dez pessoas morreram e outras 60 ficaram feridas devido à explosão de dois carros-bomba em um movimentado mercado da cidade de Kirkuk, 250 quilômetros ao norte de Bagdá, informaram fontes policiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.