Plano de segurança terá mais 50 mil soldados iraquianos

Cinqüenta mil soldados iraquianos que finalizaram o período de treinamento se incorporarão ao plano de segurança para Bagdá e seus arredores, segundo o jornal governamental Al-Sabah. As tropas reforçarão o contingente de 85 militares iraquianos e americanos.De acordo com a publicação, os militares já estão preparados para somar-se aos cerca de 85 mil soldados encarregados da aplicação do plano de segurança, em vigor desde 14 de fevereiro.Os militares adicionais foram treinados para combates de rua efazer frente aos insurgentes nas áreas residenciais.Segundo o jornal, o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki,afirmou que entre os novos militares se incluem iraquianos de todas as etnias e credos e descartou a possibilidade da existência de favoritismos em relação a algum grupo da população.Apesar das três semanas de vigência, o plano de segurança nãoconseguiu pôr fim aos ataques e atentados de caráter sectário que assolam a capital quase diariamente.AtaquesNa manhã desta terça-feira, 6, nove soldados americanos morreram em explosões no norte da capital iraquiana. Seis dos nove soldados morreram após a explosão de uma bomba, que atingiu o veículo em que viajavam, durante uma operação em Salahuddin. Nesse incidente, três outros ficaram feridos e foram encaminhados a um hospital militar.Segundo um comunicado oficial do Exército dos EUA, a explosão de uma outra bomba, na província de Diyala, matou outros três soldados americanos e feriu um quarto.Segunda-feira foi o dia em que mais morreram soldados americanos no Iraque desde 7 de fevereiro, quando 11 foram mortos. O recorde de baixas americanas no país, no entanto, foi registrado em 26 de janeiro de 2005, quando 37 morreram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.