Plano do Brasil sobre violações será refeito

O governo brasileiro vai preparar uma segunda versão de sua proposta de reformar a maneira pela qual a Organização das Nações Unidas (ONU) trata das violações de direitos humanos cometidas por seus Estados-membros.

Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

Ontem, o Itamaraty apresentou oficialmente a proposta pela primeira vez a todos os governos latino-americanos. O documento teve boa aceitação principalmente por parte dos países que integram a Aliança Bolivariana das Américas (Alba), que é encabeçada pelos governos da Venezuela, Equador e Bolívia.

O documento apresentado pelo Brasil propõe que as Nações Unidas privilegiem as pressões diplomáticas confidenciais com chefes de Estados violadores dos direitos humanos, antes de partir para as denúncias públicas, campanhas na mídia e propostas de resoluções com sanções.

Alguns governos e organizações de defesa dos direitos humanos duvidam da eficácia da estratégia e temem que ditadores usem a extensa negociação confidencial para evitar a pressão pública, ganhando tempo para cumprir seus objetivos ilegais.

Na nova versão do documento, o governo brasileiro pretende explicar melhor como as Nações Unidas deveriam proceder nos casos em que as gestões confidenciais não surtam o efeito esperado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.