Plano dos EUA estimulará novas armas biológicas, diz alerta

Defensores do controle de armas alertam que um novo centro de pesquisas proposto para o Departamento de Segurança Interna poderá violar a proibição internacional de armas biológicas e levar outros países a desprezar a lei. Em declaração divulgada pela internet, três peritos em controle de armas dizem que as propostas para o Centro Nacional de Análise e Medidas de Biodefesa, criado pelo Congresso ano passado, parecem passar por cima da proibição que pesa sobre a criação de armas biológicas. ?A rapidez da elaboração de programas americanos de biodefesa, a ambição e a agressividade administrativa deles e o grau em que forçam os limites da Convenção de Armas Biológicas são espantosos?, dizem os autores do alerta, que são Milton Leitenberg, especialista em controle de armas da Universidade de Maryland; James Leonard, que chefiou a delegação americana que negociou o tratado de armas biológicas em 1972; e o ex-inspetor de armas da ONU Richard Spertzel. A crítica que elaboraram, publicada no periódico Politics and the Life Sciences, foi inspirada em uma apresentação do tenente-coronel George W. Korch Jr., que disse, em fevereiro, que o novo centro de pesquisas poderá estudar se vírus e bactérias letais poderão ser desenvolvidos para testar as defesas americanas. ?Nego categoricamente que venhamos a desenvolver armas ofensivas?, disse Gerald Parker, diretor do escritório de análise de ameaças científicas do centro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.