Plano dos EUA prevê guerra ao Irã, diz analista

O plano de contingência dos Estados Unidos para uma ação militar contra o programa nuclear iraniano vai além de ataques limitados e efetivamente provocaria uma guerra contra a república islâmica, disse um ex-analista de inteligência norte-americano na sexta-feira. "Vi alguns dos planos (...) Você não está falando de um ataque cirúrgico", disse Wayne White, que foi um importante analista do Oriente Médio para o escritório de inteligência e pesquisa do Departamento de Estado dos EUA até março de 2005. "Você está falando de uma guerra ao Irã" que provavelmente desestabilizaria o Oriente Médio por anos, disse White ao Middle East Policy Council, uma entidade sediada em Washington. "Não estamos falando de ataques cirúrgicos em uma variedade de alvos dentro do Irã. Estamos falando em abrir caminho em direção aos alvos", tirando a maioria da Força Aérea iraniana, dos submarinos, mísseis antinavio que podem atingir embarcações militares ou comerciais dos EUA no Golfo, disse White. "Estou muito mais preocupado com as conseqüências de um ataque norte-americana ou de Israel à infra-estrutura nuclear do Irã", que geraria uma violenta retaliação iraniana do que com a guerra civil no Iraque, disse ele, alegando que o conflito iraquiano ficaria restrito a esse país. O presidente norte-americano, George W. Bush tem enfatizado que busca uma solução diplomática para a disputa sobre o programa nuclear iraniano. Ele, no entanto, não descartou uma ação militar em sua retórica recente. Os EUA e aliados ocidentais suspeitam que o programa nuclear do Irã possa ser um disfarce para a construção de uma bomba atômica. O governo iraniano afirma que seu programa é pacífico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.